Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Oitenta garimpeiros detidos após tumultos no centro de Moçambique

Oitenta garimpeiros, dos quais 56 zimbabweanos, foram detidos por suspeita de envolvimento na sexta-feira(20) em tumultos em Manica, centro de Moçambique, e que se saldaram em pelo menos dois mortos e cinco polícias feridos, disse hoje fonte policial.

“A polícia foi às minas ilegais de Mavonde para travar a prática do garimpo, quando o grupo reagiu com violência”, disse à agência Lusa Belmiro Mutadiua, porta-voz do Comando da Polícia de Manica.

Fontes do grupo de garimpeiros disseram na sexta-feira à Lusa que os confrontos com a polícia moçambicana provocaram três mortos em Manica, na província com o mesmo nome no centro de Moçambique, embora a polícia só confirme dois e um ferido grave. “Dois morreram nas minas e um perdeu a vida já no hospital e há muitos feridos”, declarou à Lusa Matthew Duke, um dos garimpeiros presentes no local.

Os agentes, disse o porta-voz, dispararam para dispersar os homens que mostraram resistência à operação da polícia ambiental para desativar as minas ilegais na zona de Mavonde, uma vasta área numa região transfronteiriça fértil em recursos naturais.

Esta região é desde há alguns anos palco de conflitos entre garimpeiros moçambicanos e zimbabueanos e entre estes e as autoridades policiais, em torno da exploração de ouro, muitas vezes ilegal.

“Os garimpeiros empunhavam pedras, paus e catanas, daí que cinco agentes ficaram feridos”, descreveu Belmiro Mutadiua, acrescentando que estão fora de perigo de vida, mas que “enfrentaram uma situação difícil”.

Em declarações à Lusa na sexta-feira, Matthew Duke contou que, durante os confrontos nas minas, a polícia recuou sob a pressão dos garimpeiros, que seguiram as viaturas da patrulha até ao posto policial número um, no centro da cidade, e ameaçaram invadir o comando distrital local, em retaliação às mortes dos colegas.

A Lusa testemunhou o alvoroço durante a manhã de sexta-feira em Manica, que forçou o encerramento do comércio, serviços públicos e transportes. Os garimpeiros colocaram barricadas na entrada e saída da cidade, com pedras de grandes dimensões, encerrando temporariamente o trânsito na estrada nacional número seis, que liga os países interiores da África Austral ao porto da Beira.

Segundo Belmiro Mutadiua, a normalidade voltou neste domingo à região. O porta-voz escusou-se a avançar se a polícia vai continuar a operação para desativar a extração ilegal de ouro dos garimpeiros, que, durante os tumultos, receberam largo apoio da população local nos confrontos contra as forças policiais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!