Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

O turismo em África depois do Mundial de 2010

Na edição 2010 da Indaba, a maior feira de turismo de África que decorreu em Durban, o pessimismo dos profissionais do sector perante as fracas repercussões económicas esperadas durante as quatro semanas do Campeonato do Mundo de 2010 contrastou com o optimismo dos governantes sobre os ganhos do evento a longo prazo.

{youtube}-T4xsdjGvH8{/youtube}

“À partida, pensávamos receber 450.000 visitantes, seguidamente 375.000, hoje cremos que apenas virão 250.000”, admitiu a presidente do Comité do Turismo sul-africano, Thandiwe January-McLean que, porém, enfatiza que o mais importante “é a cobertura mediática de 25 a 26 biliões de telespectadores que vão acompanhar o Mundial pela televisão e o tornam uma ocasião de ouro para promover África como destino turístico de excelência”.

Este foi o último grande evento realizado antes início do Mundial de futebol e a presença do presidente Jacob Zuma na abertura da feira, e de vários ministros e outros altos dignitários de países africanos, foi um sinal claro de que a África do Sul e alguns países africanos apostaram muito neste evento que vai mudar para sempre a percepção que o mundo tem da África do Sul e, quiçá, do continente. “Através dos esforços dos participantes nesta feira a África do Sul, em 2010, vai ultrapassar a barreira dos 10 milhões de turistas que vêm de fora pela primeira vez” afirmou Zuma no seu discurso.

“Não será apenas a indústria do turismo que irá beneficiar do legado do primeiro Mundial de futebol que se realiza em África. Toda a economia foi revitalizada e um grande ímpeto foi dado no desenvolvimento de infra-estruturas e na criação de novos postos de trabalho” sentenciou o Presidente sul-africano. Os mais de 13 mil delegados que passaram pelo centro de Conferências Inkosi Albert Luthuli tiveram também a honra de estrear o novíssimo aeroporto internacional King Shaka e deslumbrarem-se com o estádio Moses Mabhida, que é muito mais do que um campo de futebol- é uma atracção turística onde se pode fazer bungee jumping (desporto que consiste no salto no espaço preso a uma corda) ou apreciar a vista da cidade a 106 metros de altura. Assinalável foi também o aumento significativo do número de compradores africanos, com maior destaque para os angolanos que duplicaram.

QUE OS JOGOS COMECEM

A cerimónia de abertura da feira começou com um dramático vídeo mostrando um país pronto para receber os jogadores, os adeptos de futebol…o mundo. Em seguida o heterogéneo coro de rapazes de Drankesberg, composto por jovens brancos, negros e indianos dos 9 aos 15 anos. Inspirando-se no estilo de futebol praticado na África do Sul, fez uma actuação memorável que levou ao delírio a plateia

{youtube}AnfMk11G854{/youtube}

O momento mais solene e simbólico da noite foi o acender das luzes de todos os estádios, acto protagonizado por Jacob Zuma, Jerone Valcke, secretário-geral da FIFA, Danny Jordan, presidente do Comité Organizador Local e as autoridades do Turismo da África do Sul. Enquanto eles pressionavam o grande botão vermelho, no palco um vídeo mostrava as luzes de cada um dos estádios a acenderem-se para que os jogos do Campeonato do Mundo de 2010 comecem no dia 11 de Junho. {youtube}ShjGQyV-0SE{/youtube}

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!