Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Pandza: O cão

O cão surgiu do manto escuro da noite, como se viesse do nada. Despreocupadamente, dobrou a esquina farejando o lancil da rua esburacada. A noite já não era criança, estava muito adulta e começava a entrar para a terceira idade: a madrugada. Àquela hora em que todo o mundo hibernava, só o cão ambulava, impune, no labirinto urbano.

Na verdade, não é que esti vesse completamente sozinho, mas era a criatura mais visível nos disfarces de penumbra que a madrugada veste. Quando entrou para a rua, os morcegos agitaram-se anunciando a chegada.

O luar há muito que tinha os holofotes para ali virados. Dos quintais, os cães domésticos começaram a ladrar, marcando território. Com um alheamento de quem não tem muito com que se preocupar, o cão vagabundo ignorava e conti nuava a vagueagem.

Primeiro percebeu-se o serpentear da sombra a irromper do escuro da esquina. Depois veio o vulto do animal, magro, muito magro, canelas finas e a carcaça das costelas à mostra. Uma nuvem escura aureolava-o, àquela luz não se via mas adivinhava-se, eram mosquitos que o escoltavam.

O rabo, escondido entre as patas traseiras, ondulava ao ritmo lento da passada. O cão farejava tudo por onde passasse: o asfalto esburacado, o passeio, a sarjeta e os troncos mijados das árvores. Parou, indeciso. Tinha a rua toda para si. Olhou para a esquerda, para a direita, hesitando entre subir ou descer a rua.

Àquela hora, o cão vagabundo, mesmo sem coroa, era o rei da rua. Achegou-se ao muro, ajeitou a perna e urinou. Nao sacudiu, os cães não sacodem.

Esfregando-se com a pata, coçou-se das carraças da vida. O corpo e a sombra faziam movimentos gémeos, um imitava o outro. Desceu a rua e parou diante duma lata de lixo, enorme para o seu tamanho de cão.

Volteou, farejando a lata. Desaparecia na penumbra da lata, e aparecia do outro lado, focinhando o lixo espalhado pelo chão. Inspeccionou restos de comida, encontrou um osso. Lambeu-o, com voracidade de cão lambendo osso, mas não se contentou. Quem inventou que os cães se contentam com ossos? Voltou a coçar as carraças da vida. Ergueu a cabeça.

Por algum tempo olhou desafiadoramente para a lata, gigante para o seu tamanho de cão. Ao primeiro salto não conseguiu ajeitar-se na borda da lata. Ao segundo, quando se equilibrou, a lata cedeu ao peso da sua magreza e caiu. Virada a lata, o vira-latas pôs-se a espalhar mais lixo para o asfalto. Separou as larvas do resto dos alimentos e tomou tranquilo a refeição.

Erguia em sobressalto o pescoço comprido, quando um estalido cortasse o silêncio da noite. Virava a cabeça pa lá e para cá inspencionando o perigo, e voltava à posição tranquila, para a sua refeição. No céu, as estrelas, muitas, pareciam as borbulhas da sarna que não o deixava quieto.

Voltou a coçar-se das pulgas e carraças da vida. Mais forte que as luzes da rua, o luar prateava-lhe meio-rosto. Os olhos de brilho tí bio, por trás do focinho escuro e húmido, escondiam um olhar sem expressão. A pelagem de cor puída, sarnenta, não disfarçava no corpo magro, o contorno do esqueleto exposto sob a pele.

Quando, mergulhado na podridão do lixo e da vida, saboreava sofregamente a refeição que disputava com as larvas, ouviu uma pedra ricochetear no chão e quase o acertar, ao mesmo tempo que a voz de um guarda nocturno, irritado com tanto lixo espalhado, gritava:

– Suca daqui, cão!

Deu um salto ágil, soltou um ganido, senti ndo a quase dor pela pedrada que quase levou. O que doeu mesmo foi a refeição interrompida.

Parou, tentando entender o mundo para além do irracional entendimento de cão. Olhou para o nocturno guarda que o apedrejara como se lixo tivesse dono. Por detrás do focinho húmido, o rosto inclinou-se docilmente para um lado, depois para outro, com um olhar terno, quase suplicante.

– Suca! – repetiu em resposta, o guarda. Antes que viesse outra pedrada o cão reti rou-se. O cão é o melhor amigo do homem e sabe que o homem é seu melhor amigo, por isso o acaricia com pedradas. Entre si, os homens também se amam às pedradas.

O cão sorriu, um sorriso iluminado de ironia. Com uma serena dignidade, abaixou-se, recolheu algum lixo como se recolhesse cacos de auto-estima, meteu no saco cheio de bugigangas que pendurou no ombro e desapareceu no escuro da noite, seguindo um incerto desti no, destino de cão, cão humano.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!