Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Novos embaixadores acreditados em Moçambique

O Presidente moçambicano, Armando Guebuza, recebeu, Quinta-feira, em Maputo, as cartas credenciais dos embaixadores das Seicheles, Austrália, China e Islândia, que irão substituir outros diplomatas que concluíram as suas missões.

Trata-se de Claude Morel, das Seicheles, Graeme Wilson, da Austrália, Li Chunhua, da China, e Maria Erla Marelsdottir, da Islândia. O embaixador chines é o único com residência em Maputo. A embaixadora da Islândia irá trabalhar no seu próprio país e os restantes estarão baseados em Pretória.

Falando no término do evento, o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Odelmiro Baloi, disse que, no caso concreto da China, Moçambique tem uma cooperação variada, com destaque para agricultura, onde aquele país asiático está a ajudar no aumento da produtividade.

A China também apoia na formação de quadros, fornecendo bolsas a estudantes moçambicanos. Ao nível da saúde, a China apoia os esforços no país no combate a malária.

“Temos uma cooperação com um peso muito grande no domínio das infraestruturas. Sabe-se que a China está a participar, juntamente com Moçambique, na construção e desenvolvimento de inúmeras infra-estruturas”, disse Baloi.

“Portanto, é uma cooperação quer ao nível político, económico, empresarial, governamental, de elevado nível e com uma elevadíssima dinâmica e no contacto que tive com o embaixador, fica claro que ele vem motivar e manter esta dinâmica actualmente existente entre os dois países”, acrescentou o ministro.

Em relação a Islândia, o governante disse que Moçambique tem uma profunda admiração por aquele país devido a sua rápida recuperação da crise financeira que nos últimos abalou a comunidade internacional. Não obstante a crise, Moçambique continuou a fazer parte de um grupo muito reduzido de países que sempre beneficiou do apoio daquele país europeu.

“Durante o encontro com o Presidente da República, grande parte foi ocupada em querer perceber como é que a Islândia depois duma crise tão profunda conseguiu sair com relativa rapidez”, disse o Ministro, acrescentando que “esta é uma lição que pode contribuir para uma maior motivação da nossa parte. Estamos a enfrentar uma grave situação de cheias com muitos prejuízos, incluindo perdas humanas”.

Em relação a cooperação com a Austrália, Odelmiro Baloi reconheceu a sua contribuição no domínio da formação de quadros moçambicanos, desminagem, governação, entre outras. Sobre as Seicheles, Baloi sublinhou as boas relações existentes entre os dois países a nível bilateral, bem como no âmbito da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), bloco regional de que ambos são parte.

Durante o encontro com o estadista moçambicano, o novo embaixador das Seicheles enalteceu o papel de Moçambique na liderança da SADC, tendo destacado o papel do Presidente Joaquim Chissano na mediação da crise do Madagáscar. No domínio da cooperação bilateral, ambos os países estão a negociar dois acordos, um no sector das pescas e outro na área de finanças e investimentos.

Recentemente foi assinado um acordo de supressão de vistos, o que, segundo o Ministro moçambicano, poderá conferir maior dinamismo na área do turismo. Baloi aproveitou a oportunidade para anunciar que Moçambique alterou recentemente a sua política de vistos.

Segundo o Ministro, trata-se de uma “filosofia de reciprocidade” que visa alterar o cenário anterior de “total abertura” do país adoptada logo depois da guerra civil, em 1992. “Em alguns casos não havia reciprocidade, nós éramos generosos na abertura das nossas fronteiras e não tínhamos reciprocidade do outro lado e decidimos aplicar esse princípio com maior rigor possível”, disse o governante.

“É uma situação definitiva e em função dos resultados nós iremos orientando a aligeirando ou complicando mais, ou seja, tornando a malha mais apertada, mas hoje com o movimento de pessoas de várias nacionalidades, com as crises que ocorrem no mundo – de natureza militar, política e económica – é preciso garantir que os moçambicanos continuem a ser os primeiros em termos de benefícios do que ocorre no país”, acrescentou.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!