Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

“Ninguém matou Suhura”

“Ninguém matou Suhura”

Não é particularmente difícil descortinar algum sentido ou préstimo numa antologia de Lília Momplé. As primeiras páginas não são de molde a provocar entusiasmo: um tal Mark Sledge abdica de matar inocentes no Iraque, onde foi para tentar ser alguém. Contudo, o retrato do drama da exclusão e a impotência diante dela encontram-se nos textos subsequentes. É uma obra sobre a passividade da justiça, a hipocrisia, o racismo e o caos que se instalaram numa sociedade que se compreendia civilizada…

De “Uma bala para Sharmila a “Era uma outra guerra”, Lília Momplé deixou, em oito esplêndidos contos, um triste retrato da condição humana de negros, mulatos e dos brancos que julgavam – antes independência de Moçambique – que “todos os homens nascem iguais” e devem ser tratados da mesma maneira . Que o difícil é recordar a condição igualitária do ser humano torna-se visível nas primeiras páginas desta antologia de contos. Aliás, a obra demonstra que essa ideia é objectivamente falsa nas 147 páginas que contêm um conto longo e oito curtos.

São histórias de pessoas sem futuro, anónimas, amargas, sozinhas, precocemente envelhecidas, que vivem entre um quotidiano de empregos aborrecidos, famílias convencionais e umas vagas memórias de episódios felizes. Como é o caso de um puxador sem direito a nome, preso à sua condição de besta humana cuja única serventia é levar de um lado para o outro “o senhor Administrador”: um pedófilo de corpo e alma. Porém, tratado com respeito pelo simples facto de a sua apetência por adolescentes se circunscrever aos infantis corpos das negras e mulatas de uma província maior do que a sua metrópole.

A avó de Suhura – menina de 15 anos objecto dos desejos do Administrador – teve de entregar a sua neta a contragosto. A sua relutância não lhe serviu de grande coisa num espaço geográfica onde os negros e os mulatos não tinham direitos. O sipaio, Abdulrazaque, foi claro: “E você, velha, em vez de ficar contente, quer discutir as ordens do senhor Administrador?!”.

No dia imposto, Suhura seguiu “docilmente, através dos becos da Ponta da Ilha e pelas ruelas desconhecidas da cidade de cimento” rumo ao matadouro. O título que dá nome ao conto deve-se ao facto de a protagonista ter resistido aos desejos do Administrador. Ela era apenas uma adolescente, mas o seu algoz não observou essa situação, antes pelo contrário, aproveitou-se da sua frágil condição física para consumar a cópula.

“Apesar de todos os seus planos para suportar com resignação o inevitável, Suhura sente agora que não pode tolerar qualquer contacto físico com este desconhecido que avança para ela, com o ventre a tremer, e procura fugir a todo o custo” (. 115). Nessa luta vence o mais forte. O homem cuja filha, Manuela, casaria com um negro se gostasse dele. Uma afirmação reprovada de forma veemente e violenta pelos pais. Foi, aliás, pensando na filha rebelde e pouco dada aos exercícios de julgar o próximo pela cor que o Administrador usou toda a sua força, indiferente às consequências para desflorar uma adolescente de 15 anos. Suhura morre porque desistiu da vida, ou porque a vida desistiu dela.

Em “O baile de Celina” a discriminação volta a ganhar protagonismo por uma exclusão inesperada o que explica a sensação de impotência que atravessa esta narrativa e que é igualmente visível no conto “Caniço”. Embora não se trate, evidentemente, de uma exclusão associada directamente à cor da pele, mas sim ao vírus da ignorância de um reitor que cometeu um acto repugnante, Celina sente que não pertence ao mundo que lhe é negado. Portanto, os bons resultados alcançados por Celina na escola, ao contrário do que a mãe supunha – outra vítima da cor da pele – são insuficientes para mudar o curso das coisas.

Depois de anos de estudo e sacrifício, o máximo que Celina conseguiu ouvir do reitor da sua escola foi: “Quero avisar-vos que não podem ir ao baile dos finalistas (…) vem o Senhor Governador-Geral e pessoas que não estão habituadas a conviver com gente de cor. E vocês também não haviam de sentir-se à vontade no meio delas”.O ambiente que percorre a narrativa é de sofrimento, mas percebe-se que se trata de um mundo que, com algumas alterações, poderia pertencer ao presente. Um mundo em que é importante que os detentores do poder sejam “respeitáveis” e os oprimidos “sacrificados”, em que é imperioso evitar o “opróbrio” e é necessário que cada hostilizado carregue a sua própria cruz.

A exclusão encontra-se por todos os lados nestes contos, e os protagonistas vivem amarrados a expectativas estreitamente discriminatórias: “Ó homem, foi a sorte grande que te saiu (…) estava a ver que nunca te safavas da negra. Fugiu e fez ela muito bem. Espertalhona como é, deve ter percebido que já era altura de cavar. Teve mais juízo que tu com os teus tolos escrúpulos em mandá-la embora. E quanto à mulatita, deixa-a estar com a mãe. Acho asneira procurá-la”.

O pronunciamento saiu da boca do sócio do avó de Celina quando a sua mãe era menor e nem a “fuga” para a cidade grande livrou o fruto do ventre de Violante de um destino tão cruel quanto o seu. De qualquer dos modos são escravas da cor da pele, embora mais clara, ou da ignorância dos homens. A vida a correr lá fora, os brancos a abusarem dos pretos e das donzelas, os pobres de sempre a esfregar, a limpar. Uma luta desigual, na verdade.

Mesmo que intimamente revoltado, Naftal resigna-se à sua condição de escravo. Um rapaz com um emprego precário que perde o pai devido à tuberculose e vê a irmã, predilecta do progenitor e prostituta disputada nas ruas da zona baixa da cidade, a morrer lentamente pela mesma doença. Diga-se, no entanto, que os irmãos mais novos apenas desconhecem o que o futuro lhes reserva. Uma vida infeliz e à mercê da vontade dos brancos, donos da terra e dos homens.

Em suma: nos contos de Lília Momplé ninguém tem direito a uma vida verdadeira. Servir, para os negros e mulatos, está sempre em primeiro. Os brancos é que levam uma vida normal, mas essa vida normal é vazia, especialmente para os brancos que acreditam na igualdade entre os homens. Aliás, alguns, nem normalidade conseguem porque esperam demais de uma sociedade indiferente aos dramas do ser humano.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!