Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Nigéria pode processar o jornal “ PÚBLICO” e TV “MIRAMAR”

O Alto Comissariado da República Federal da Nigéria estuda a hipótese de processar judicialmente o recém semanário “ Público” e a TV “MIRAMAR” por crimes de difamação e calúnia ao associarem àquele país o suposto homem transmissor de uma doença sexual estranha.

John Akitntoye Olofintyuy diz que nem todo homem negro da África ocidental é nigeriano e lamenta o facto de também o negro que não moçambicano ou sul-africano o é. Receia que este tipo de rumor pode conduzir a ataques xenófobos, à semelhança do que aconteceu na o passado aos nossos compatriotas.

Uma nota de imprensa enviada sexta-feira às Redacções foi suficiente para a pequena sala-de-espera do alto Comissariado da República Federal da Nigéria estar lotada de repórteres que aguardavam ansiosamente que os relógios marcassem 11 horas e começasse a concorrida conferência de imprensa. Mas só cerca 11e 30 é que John Akitntoye Olofintyuy, Alto-comissário daquele país entrou acompanhado de uma dezena de outros nigerianos visivelmente com nervos a flor da pele.

Formado em Direito, John Akitntoye Olofintyuy foi directo ao assunto: não é nigeriano o suposto homem transmissor de uma doença sexual estranha. Por isso estuda a hipótese de processar judicialmente o recém semanário “ Público” e a TV “MIRAMAR” por crimes de difamação e calúnia ao associarem àquele país. O que surpreende a John Akitntoye Olofintyuy – e todos os seus compatriotas é a persistência do “ Público” e da TV MIRAMAR em propagar este rumor sem qualquer prova de que o sujeito em causa é um nigeriano.

Por isso “ nós consideramos isto um jornalismo irresponsável que não deveria ser tolerado de forma alguma porque a história tem que ter fundamento. E mais: tinha que ser equilibrada. Os manuais de jornalismo prático estão claros: ouvir todas as partes – sobretudo as acusadas – é obrigação deontológica de um jornalista.

Como os nossos colegas não observaram esse princípio, o Alto-comissário da Nigéria, que diz que normalmente não reage a boatos, anda muito chateado com eles. Mas desta vez “ tivemos que o fazer por causa da associação do nome de Nigéria.” É um rumor que os levou a investigar exaustivamente sobre o assunto e não encontraram nenhum nigeriano parecido com o sujeito descrito nessa imprensa. No banco de dados da representação diplomática nigeriana estão registados mil cidadãos.

Desses não há sequer um parecido com o nome nem fisicamente com o mulato propagado na Internet e reproduzido pela imprensa. “ Não há nigeriano que entre legalmente em Moçambique que escape à supervisão daquela representação diplomática”, assegurou John Akitntoye Olofintyuy. O diplomata salientou que desde que este rumor começou a se propagar, essas imprensas não apresentaram provas dos factos sobre a estranha doença, nem indicaram uma vítima concreta.

“Também é interessante notar que as autoridades sanitárias não têm conhecimento desta doença.” A PRM também nunca confirmou esse crime. RECEIOS DE XENOFOBIAS John Akitntoye Olofintyuy receia que este tipo de rumor pode conduzir a ataques xenófobos, à semelhança do que aconteceu aos nossos compatriotas na vizinha África do Sul ano passado.

“ Pode destruir as boas relações existentes entre Nigéria e Moçambique”, lamentou. Acrescentando que “ é também pertinente chamar à atenção a um conceito errado que nós achamos no decurso de nosso trabalho neste país: todo o homem negro que não é moçambicano ou sul-africano é automaticamente assumido como um nigeriano”.

Isto não é correcto pois “ existem vários africanos ocidentais de Ghana, Guiné, Senegal, e outros.” O diplomata nigeriano diz que tem em mente que os moçambicanos têm uma mente critica e tem certeza que eles notaram que este rumor está a ser difundido por certa imprensa só para ganhar dinheiro das pessoas que aceitam facilmente ser enganadas.

O que ficou subjacente é a possibilidade de o Alto Comissariado da República Federal da Nigéria processar judicialmente o jornal “ Público” e a TV “MIRAMAR/PROGRAMA ATRACÇÕES ” por crimes de difamação e calúnia. Ambos associaram o suposto homem transmissor de uma doença sexual estranha àquele país.

A Ainda na edição desta semana, o “Público” escreve que “ nigerianos abastecem drogas na zona militar”, facto que enfureceu ainda mais John Akitntoye Olofintyuy. Antes “Público” afirmou que o suposto sujeito, que circula numa viatura de luxo de cor preta, depois de manter relações sexuais, dá “muito dinheiro” às suas vítimas, é nigeriano. Escreveu ainda o mesmo logo depois de um acto sexual desprotegido, avisa (às vitimas) para tratarem de expediente para seus funerais eventualmente por não poderem sobreviver à doença que se diz transmitir sob forma de vermes que deixa nos órgãos genitais das parceiras ocasionais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!