Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Necessários mais recursos para combater abuso da criança

A Ministra da Mulher e Acção Social, Iolanda Cintura, considera ser necessário mobilizar mais recursos para tomar medidas mais eficazes de combate a violência e o abuso de crianças em Moçambique.

A governante lançou esse apelo durante a reunião de advocacia e mobilização de recursos para o combate a violência contra a criança, realizada, Segunda-feira última, em Maputo.

“A Ministra mencionou que mais recursos técnicos, humanos e financeiros são necessários para o estabelecimento de uma plataforma coordenada e eficaz de acção contra a violência e o abuso de crianças”, indica um comunicado de imprensa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), recebido, quarta-feira, pela AIM.

Segundo a fonte, durante o encontro, Cintura falou sobre o problema de tráfico de crianças e sobre as medidas necessárias para o país ultrapassar esse mal.

Assim, ela apelou os participantes para renovarem a sua convicção pessoal no sentido de combaterem a violência contra a criança e para apoiarem os esforços de tornar Moçambique num melhor local para as crianças e num país propício onde se nutre a segurança e desenvolvimento das crianças.

Por seu turno, o Representante do UNICEF em Moçambique, Jesper Morch, enfatizou a importância da prevenção da violência e abuso através de vários meios, incluindo mudanças em certas normas sociais, tolerância zero ao abuso nas escolas e expansão de serviços de apoio.

Outras medidas passam pelo aumento da capacidade forense médicolegal, formação de trabalhadores sociais, criação de comités comunitários de protecção da criança, comunicação contínua para a mudança de comportamentos e sobre o assunto, assim como o fortalecimento do Conselho Nacional dos Direitos da Criança.

A reunião resulta do esforço de cinco ministérios, incluindo o da Mulher e da Acção Social, Interior, Justiça, Saúde e da Educação, assim como do Tribunal Supremo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!