Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mulher mata marido em conluio com os filhos em Nampula

Uma mulher encontra-se privada de liberdade, desde segunda-feira (23), no distrito de Murrupula, província de Nampula, acusada de orquestrar a morte do próprio marido, em conspiração com os filhos, também detidos.

A vítima, de 38 anos de idade, respondia pelo nome de Jorge Cabral e foi assassinada na mesma segunda-feira.

As autoridades policiais estão ainda a investigar as razões que levaram a senhora os filhos a acabarem com a vida do chefe de família.

Segundo apurámos, a senhora e os filhos atiraram o corpo do malogrado dentro de uma fossa séptica da própria casa, facto que exigiu a intervenção do Serviço Nacional de Salvação Pública (SENSAP) para recuperar o cadáver.

Este crime trás à memória um outro ocorrido em Setembro de 2015, no bairro de Fomento, no município da Matola, província de Maputo. Um jovem de nome Armando Maneses, de 21 anos de idade, recorreu a uma enxada e alavanca assassinar o pai e a mãe, após um desentendimento resultante do facto de os progenitores terem recusado dar-lhe dinheiro para consumir bebida alcoólica.

O casal respondia pelos nomes de Celeste Sambo e Manasses Macave.

Volvidos 14 meses, Armando Manasses, que estava trancafiado desde o dia do cometimento do crime, foi condenado a 31 nos de prisão. Acompanharam-no à cadeia, por envolvimento do acto macabro, dois amigos: Abel Mula, 20 anos de idade, e Hélio Mondlane de 21 anos de idade.

Já em Maputo, Polícia da República de Moçambique (PRM), deteve um cidadão de 35 anos de idade, por alegado assassinato um empresário de nacionalidade chinesa, a 01 de Outubro corrente, no distrito de Chemba, província de Sofala.

Segundo corporação, o acusado alegou que há bastante tempo estava de costas voltadas com o seu patrão, porque, supostamente, o prejudicava durante o transporte de madeira, uma vez que ele era condutor.

Após o crime, o jovem refugiu-se em Maputo, mas a fuga não durou muito tempo, tendo caído nas mãos da PRM.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!