Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Muitas taxas e excessivas inibem investimento privado

A criação de taxas e impostos em diferentes fases de desenvolvimento de empreendimentos sem clareza de aplicação e articulação com outros está a desencorajar o investimento privado em Moçambique, de acordo com uma lamentação da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA).

A agremiação dá exemplos do que se passa no caso das concessões mineiras, onde, para além do Imposto sobre a Superfície para o uso e aproveitamento da terra e dos recursos e do Imposto sobre a Produção cobrado pelo valor dos recursos minerais extraídos, o investidor é ainda obrigado por lei a custear processos de reassentamento da população a ser retirada das zonas de execução dos projectos.

“As custas de reassentamento incluem a criação de novos meios de subsistência e projectos de desenvolvimento social como custo de aquisição do uso e aproveitamento da terra e dos recursos que é também oneroso”, no entender da CTA, em avaliação reflectida num documento enviado à Comissão de Agricultura, Desenvolvimento Rural, Actividades Económicas e Serviços da Assembleia da República (AR).

Esta comissão especializada está a analisar a Proposta de Lei Complementar sobre Parcerias Público-Privadas (PPP), Projectos de Grande Dimensão (PGD) e Concessões Empresariais (CE) submetida ao Parlamento pelo Conselho de Ministros para debate e aprovação.

A CTA afirma não haver clareza no documento do Governo quando fala da criação de taxas e impostos em diferentes fases do desenvolvimento, “sem suficiente clareza de aplicação e articulação com outros impostos e taxas de concessões e de adjudicação existentes”, para, em seguida, perguntar se são novos ou se já constam das leis específicas já aprovadas.

Regulamento

Outra preocupação apresentada pela Confederação das Associações Económicas de Moçambique refere-se ao facto de esta proposta de Lei estar a ser discutida em separado com o seu respectivo Regulamento, situação que, no entender da CTA, “provoca certa ambiguidade e falta de clareza de alguns artigos, impactando, deste modo, na sua implementação”.

A proposta de Lei Complementar sobre Parcerias Público-Privadas, projecto de Grande Dimensão e Concessões Empresarias visa incentivar o investimento interno e externo e atrair investimento externo em empreendimentos daquele calibre.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!