Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Mudança climática ameaça energia nuclear e a carvão

O aquecimento das águas e a redução na vazão dos rios deve causar transtornos às usinas nucleares e termoeléctricas a carvão nos Estados Unidos e Europa, disseram os cientistas que recomendaram uma revisão nos métodos de resfriamento de usinas eléctricas.

Num estudo publicado, Segunda-feira, os cientistas dos EUA e Europa previram que a capacidade de geração da energia nuclear e termoeléctrica entre 2031 e 2060 irá diminuir entre 4 e 16 por cento nos EUA, e de 6 a 19 por cento na Europa, por causa da escassez de água para a refrigeração.

A probabilidade de quedas extremas na geração eléctrica, com apagões totais ou quase totais, deve quase triplicar.

“Esse estudo sugere que a nossa dependência do resfriamento térmico é algo que vamos ter que revisitar”, disse em nota o coautor Dennis Lettenmaier, professor de engenharias civil e ambiental na Universidade de Washington, em Seattle.

As usinas termoeléctricas geram mais de 90 por cento da eletricidade consumida nos EUA, e respondem por 40 por cento do uso nacional de água doce, segundo o estudo publicado na revista Nature Climate Change.

Na Europa, essas usinas respondem por três quartos da electricidade, e por cerca de metade do uso da água. As usinas nucleares, a gás e a carvão transformam grandes quantidades de água em vapor, para girar as suas turbinas.

Elas também precisam de água a temperaturas constantes para resfriar as turbinas, e qualquer pico na temperatura da água de um rio pode afectar as operações. Os autores observaram que já há transtornos a ocorrerem.

Nos Verões europeus de 2003, 2006 e 2009, por exemplo, já restringiram a disponibilidade de água, causando elevação nos custos energéticos.

O mesmo ocorreu em 2007 e 2008 nos EUA, por causa da escassez de água para o resfriamento e de restrições ambientais ao despejo de água quente nos rios.

Nos últimos meses, muitas regiões dos EUA registram recordes de calor, e este ano teve o Março mais quente já registado nos 48 Estados do território contíguo do país.

O estudo prevê que o impacto mais significativo nos EUA ocorrerá nas usinas instaladas ao longo de grandes rios no sudeste do país.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!