Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mortes por enforcamento preocupam autoridades em Chibabava

As autoridades Administrativas da Localidade de Mucheve, Posto Administrativo de Muxungue, Distrito de Chibabava, na Província de Sofala, estão preocupadas com a ocorrência frequente de casos de morte por enforcamento na região.

Segundo o Chefe da localidade, Bento Venâncio Mucheve, so neste ano a região de Mucheve registou pelo menos quatro casos de mortes por enforcamento, os quais tiveram a superstição como causa principal. Mucheve disse-nos que todos os quatro casos as vitimas terão tomado a decisão de se enforcar depois de terem sido acusados publicamente de feiticeiros.

O Chefe da Localidade de Mucheve culpa, em parte, as autoridades tradicionais locais por incitarem os residentes a recorrer aos curandeiros sempre que há problemas em casa ou na família. “Os curandeiros aqui em Mucheve tem nos criado muitos problemas na comunidade, pois algumas vezes chegam a acusar feiticeiro indivíduos que nem sequer são” – afirmou o nosso entrevistado. O mais recente caso de enforcamento refere-se um cidadão que em vida respondia pelo nome de Simon Mafastela, que preferiu por termo a própria vida depois de não ter conseguido se conter face a humilhação que vinha passando a seguir a sua apresentação pública como feiticeiro.

O suicida teria sido acusado pela vizinhança de ter dado amuleto a uma mulher para ter poderes para roubar de forma mágica culturas alimentares na machamba duma vizinha. A fon- te acusou o Regulo Chicaravito Mujowi de ter sido quem espalhou essa confusão toda, quando tentava lidar com o caso. Consta que antes do sucedido, a referida mulher beneficiária da virtu-de teria sido surpreendida a colocar amuleto na machamba da vizinha. Depois de investigada, a mesma mulher teria denunciado o suicida como tendo sido quem preparou o amuleto.

O suicida, por sua vez, depois de confessar ter sido ele quem preparou a droga foi condenado a devolver o valor de mil e quinhentos meticais que havia cobrado a mulher pela prestação dos serviço. No entanto, o Chefe da Localidade de Mucheve lamenta a decisão de enforcamento, uma vez que não teria sequer sido aberto um processo criminal contra a sua pessoa.

Todavia, indicou que naquela localidade, particularmente, os residentes quando são acusados de envolvimento práticas de feitiçaria tem tomado a decisão de colocar termo a sua vida alegadamente por temerem represálias e também passar isolamento o resto da vida. Nos finais do ano passado, um cidadão identificado por Meque foi brutalmente espancado e posteriormente esquartejado por populares, numa acção que teve como mentor o antigo Chefe da Localidade de Chinhica, Titos Jojo Ndaramo, o qual encontra-se ainda a contas com a Justiça.

A vítima que acabava de regressar do trabalho nas minas da África do Sul teria sido acusada de envolvimento com uma mulher com que o homicida mantinha re- lações amorosas. As autoridades policiais em Sofala consideram a superstição como sendo uma das principais causas que tem contribuído para ocorrência de vários casos de homicídio voluntário na província, seguido de problemas pássionais e consumo desenquadrado de álcool.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!