Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Morreu o actor Nicolau Breyner, o “Sr. Feliz”

Morreu o actor Nicolau Breyner

O actor português Nicolau Breyner morreu esta segunda-feira. Tinha 75 anos e mais de 55 de carreira: foi actor, produtor, realizador e uma das figuras mais populares da ficção nacional. Segundo fonte oficial da assessoria do actor, morreu em casa, de “causas naturais”, ao que tudo indica de ataque cardíaco.

O actor estava desde Outubro a gravar a telenovela A Impostora, para a TVI, que ainda não estreou. A sua morte repentina chocou o mundo das artes e não só.

“A missão do actor é simplesmente emocionar as pessoas. Levá-las ao riso ou às lágrimas. Fazer com que nos odeiem ou nos amem. Enfim…. É fazê-las sonhar. Quando isso acontece, a vossa missão está cumprida”. A frase, de Nicolau Breyner, inscrita no site da escola de actores NBAcademia, que fundou, possivelmente sintetiza o trabalho de uma vida ligada à representação, ainda que com um desvio pela política.

Alentejano de Serpa, Nicolau Breyner nasceu em 1940 na vila alentejana, onde passou parte da infância. Foi como o “tanoeiro”, um pequeno papel na peça Leonor Telles, que, a 20 de Abril de 1960, se estreou no teatro, depois de ter vindo para Lisboa, para estudar no Conservatório – canto e teatro.

A estreia na televisão deu-se com “Cruzeiro de Férias”, ao lado de António Silva. Ao longo dessa década tornou-se numa das primeiras figuras do teatro de revista e na década seguinte num dos actores mais populares do país, graças à televisão. Para a maior a parte dos portugueses, será sempre o Sr. Feliz, metade da dupla “Sr. Feliz e Sr. Contente”, rábula que protagonizava com Herman José. Mas marcou a televisão com programas como Eu Show Nico (1980) ou Gente Fina é Outra Coisa (1983).

Foi também actor e coautor da primeira novela portuguesa, Vila Faia, em 1982. Na telenovela desempenhou um papel marcante, o de João Godunha. Trabalhou também como realizador de várias séries e produtor de TV, tendo sido o fundador da NBP Produções.

No cinema participou, por exemplo, em ” O Barão de Altamira” (1986), “Jaime” (1999), “Os imortais” (2003), “A Bela e o Paparazzo” (2009) e “Os gatos não têm vertigens” (2014) e assumiu o papel de realizador, entre outros, em “Contrato” e “Sete pecados rurais”. Henrique Campos, Joaquim Leitão, António-Pedro Vasconcelos, Luís Galvão Telles, António da Cunha Telles, Leonel Vieira, Jorge Paixão da Costa e Fernando Lopes foram alguns dos realizadores com quem trabalhou.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!