Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambique terá centro de pesquisa do caju

Moçambique terá um centro especializado na pesquisa do caju, visando melhorar o desempenho do sector. A directora nacional de Fomento de Caju, Filomena Maiópuè, disse que o centro que se vai dedicar à investigação de toda a cadeia de produção e comercialização do caju, poderá ser instalado na província nortenha de Nampula e será coordenado pelo Instituto Agrário de Moçambique (IAM), entidade que responde pela área de pesquisa no Ministério da Agricultura.

Falando à margem da reunião nacional de planificação do Instituto Nacional do Caju (INCAJU), há dias realizada no distrito do Dondo, em Sofala, ela disse que, para o efeito, esteve no país um consultor tanzaniano que se encarregou da elaboração do desenho das necessidades para a instalação do referido centro.

Para além de estar virado apenas à descoberta de novas variedades de caju, segundo a fonte do “Diário de Moçambique”, o centro vai igualmente dedicar-se ao estudo do mercado, visando a diversificação deste, ao invés de se depender exclusivamente das exportações para a Índia.

“Estamos a sair de uma campanha bastante má, por isso, se quisermos ver o subsector do caju cada vez mais desenvolvido, temos que apostar na estruturação da componente de investigação, de forma a descobrirmos novas variedades de caju, que sejam mais rentáveis e resistentes às condições climatéricas do país”, referiu Filomena Maiópuè, acrescentando que, com o referido centro, a área do caju contará com um grupo de pesquisa cada vez mais forte, que estará capaz de responder aos constrangimentos do sector.

A reunião do Dondo recomendou aos técnicos do sector do caju a nível nacional no sentido de apoiarem cada vez mais a construção de infra-estruturas de produção de mudas de cajueiros para a campanha 2012/13 e de processamento da castanha de caju. Para o aumento da capacidade de produção de mudas, a directora do INCAJU disse que serão envolvidas neste processo as associações, cooperativas e empresas privadas ligadas ao sector.

Para a próxima campanha, o sector prevê uma produção de três milhões de mudas de cajueiros, a serem distribuídos pelos produtores. Em termos de comercialização, o país espera exportar entre 75 mil e 80 mil toneladas de amêndoa de caju.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!