Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambique sai da Cimeira de Luanda com responsabilidades acrescidas

O Presidente Armando Guebuza diz que Moçambique saiu da XXXI Cimeira da Comunidade de Desenvolvimento da Africa Austral com responsabilidades acrescidas, razão pela qual vai prestar todo o apoio e solidariedade ao actual líder da organização, o Chefe do Estado angolano, José Eduardo Dos Santos.

Falando à imprensa moçambicana, no final da cimeira que decorreu de 17 a 18 de Agosto corrente, em Luanda, a capital de Angola, Guebuza disse que Moçambique vai empenhar-se a fundo na implementação de todos os programas e actividades da organização.

Moçambique ascendeu a vice-presidência da SADC nesta última cimeira. Segundo Guebuza, ao se empenhar neste cargo, Moçambique estará a prepararse para assumir a presidência desta organização, na XXXII Cimeira a ter lugar no país, em 2012.

A SADC, segundo o Presidente Guebuza, vai trabalhar neste mandato dentro de uma linha orientada para a construção e desenvolvimento de infraestruturas.

“O desenvolvimento de infra-estruturas em Moçambique não começa hoje temos os corredores de Nacala, Beira, Limpopo, linhas-férreas e estradas reabilitadas”, disse o Presidente Guebuza, apontando a logística do carvão de Moatize, como sendo exemplo de projectos que não começaram a ser implementados agora.

O Chefe do Estado moçambicano defendeu, por outro lado, que na liderança deve se contar com a ajuda mútua entre os países que integram a comunidade e de apoio de outros parceiros nacionais e internacionais para que qualquer programa seja coroado de êxito.

“O que une a SADC não é apenas a Zona de comercia Livre mas sim um conjunto de vários outros factores”, indicou o Presidente moçambicano.

A SADC não dispõe de recursos para cobrir todas as suas despesas e, segundo o Chefe do Estado moçambicano, a operacionalização do Fundo de Desenvolvimento regional é um instrumento que tem em vista encorajar e estimular o desenvolvimento dos países da região.

O Presidente Guebuza apontou que os fundos da Nova Parceria para o Desenvolvimento de Africa (NEPAD) estão também a garantir a construção e reconstrução de infra-estruturas em Africa, reafirmando que este não é o começo mas a continuação do que está a ser feito.

Sobre as alegações de gestão danosa no secretariado da SADC, Guebuza afirmou que não se pode considerar que Moçambique saiu beliscado desta cimeira porque trata-se de uma denuncia através de uma carta anónima, portanto não se pode concluir que, por esta via, o país esteja manchado.

“Há presunção de inocência depois só depois da auditoria e que podemos julgar o caso com factos concretos”, disse Guebuza.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!