Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Instituto Nacional de Estatística afirma que índice de preços está em queda

O governo moçambicano poderá alcançar as metas estabelecidas para o corrente ano, de uma taxa de inflação de um dígito, tendo em consideração a tendência de variação dos preços ao longo de 2011. A apreciação do metical, moeda nacional, face ao dólar norte-americano e ao rand sul-africano, é o factor principal para o alcance das metas.

O executivo de Armando Guebuza estabeleceu, no seu Plano Económico e Social para 2011 (PES 2011), uma taxa de inflação média anual igual ou inferior a 8.0 por cento.

No ano passado, Moçambique registou uma evolução desfavorável da taxa de inflação que no fim do ano foi de dois dígitos, superior a 10 por cento.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), de Janeiro a Setembro deste ano, houve um aumento do nível geral de preços na ordem dos 4,06 por cento.

Segundo Cirilo Tembe, director de integração, coordenação e relações externas do INE, falando hoje, em Maputo, numa conferência de imprensa convocada para apresentar o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), relativo ao mês de Setembro, a divisão de alimentação e bebidas não alcoólicas contribuiu no total da inflação acumulada com 1.37 pontos percentuais.

O peixe fresco, refrigerado ou congelado, o carvão vegetal, açúcar amarelo, gasolina, ensino superior público, a mandioca seca e peixe seco foram os produtos cujo agravamento de preços teve maior impacto no total da inflação acumulada.

De referir que a Universidade Eduardo Mondlane (UEM), a mais antiga instituição de ensino superior em Moçambique, aumentou o custo das propinas no início do ano em mais de 400 por cento.

Assim, a taxa de matrícula anual disparou de 80 meticais para 600 meticais e o valor de inscrição por cada disciplina semestral de 105 meticais para 420 meticais, enquanto para as cadeiras anuais aplica-se o preço de 840 meticais.

No início de Julho último o Governo agravou o preço da gasolina nas cidades de Maputo e Matola, no sul, Beira, centro, e Nacala, Norte de Moçambique, de 44 meticais o litro para 47,52 meticais.

“Os agravamentos dos preços destes dois produtos e de outros como peixe fresco, refrigerado ou congelado, o carvão vegetal, açúcar amarelo a mandioca seca e peixe seco, tiveram impacto no total da inflação acumulada, contribuindo com 2.52 pontos percentuais” frisou.

No que refere a inflação registada no mês de Setembro último, o INE diz que houve uma diminuição de preços na ordem de 0.08 por cento.

Segundo Perpétua Michangula, chefe do departamento de preços e conjuntura do INE, contribuíram para a inflação do mês Setembro a diminuição dos preços de tomate, cebola, farinha de mandioca, coco, frango morto, couve e dos cadernos escolares.

De referir que o IPC é calculado tendo em conta dados recolhidos nas três principais cidades de Moçambique, Maputo, Beira e Nampula, no sul, centro e norte do país, respectivamente.

De acordo com Michangula, os dados foram recolhidos em 852 estabelecimentos comerciais, incluindo mercados, sendo 444 em Maputo, 256 na Beira e 152 em Nampula. Nesse contexto, foram analisados 1200 preços, o que na visão de Michangula, permite aferir que os resultados são próximos da realidade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!