Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambique continuará a receber ajuda do FMI para além de 2013

Moçambique pretende manter a ajuda do FMI para além de 2013, afirmou o ministro moçambicano das Finanças, reconhecendo que o país está a ter dificuldades no financiamento de projectos de infra-estruturas devido à retracção de parceiros internacionais.

O ministro Manuel Chang falou nestes termos à Lusa à margem das reuniões de Primavera do Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial, em Washington, onde, num painel sobre os países em desenvolvimento, alertou para o impacto nestas economias da crise financeira internacional, em particular na zona euro.

Os parceiros e doadores internacionais “estão a retrair-se porque também têm situações difíceis nos seus países”, disse. Segundo Chang, Portugal, por exemplo, apesar das suas dificuldades financeiras, continua a financiar o Orçamento do Estado moçambicano nos mesmos níveis.

“Outros países primeiro reduziram os financiamentos, depois introduziram algumas cláusulas quanto à utilização e desembolso desses fundos, outros saíram”, adiantou o ministro moçambicano.

Chang sublinha que Moçambique e outros países africanos têm “grande necessidade de financiamento para infra-estruturas” como estradas, pontes, barragens, abastecimento de água, electrificação do país ou comunicações.

Em alguns grandes projectos o financiamento privado pode ajudar a completar estas necessidades, mas noutras obras a responsabilidade directa é do Estado que tem “alguma dificuldade de financiamento neste momento”.

Moçambique procura principalmente financiamento das concessões, junto de instituições financeiras internacionais, como Banco Mundial, Banco Africano de Desenvolvimento e Banco Islâmico.

De Washington, Chang regressa com a convicção de aprovação do programa de ajuda do FMI a Moçambique (2010-2013), cuja quarta revisão terá lugar em Junho.

Este segundo programa, de três anos, está no seu segundo ano e Chang adiantou que está já a começar a ser pensado o terceiro programa do FMI.

Paralelamente, Chang apelou em Washington à maior concertação internacional para que seja “minimizada a situação de crise” financeira, em particular na zona euro, que está a ter “impacto de maneira directa ou indirecta” em países como Moçambique.

O impacto sente-se a nível da economia real, nomeadamente nas exportações, com dificuldade no acesso a mercados, ou redução de preços, além da redução de financiamento e de remessas dos emigrantes.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!