Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
ADVERTISEMENT

Elefantes destroem 80 hectares de culturas agrícolas em Nangade

Mais de 80 hectares com diversas culturas agrícolas foram perdidos na presente campanha agrícola no distrito de Nangade, zona norte de Cabo Delgado, devido à acção devastadora de animais bravios, principalmente elefantes.

O fenómeno atingiu as comunidades de Nkonga, Namiune, Mandimba e 5º Congresso, conforme o secretário permanente distrital de Nangade, Gilberto António Massute, o qual explicou que no primeiro trimestre foi abatido um búfalo considerado problemático, que aterrorizava as populações da aldeia Ngalonga.

Apesar disto, os camponeses de Nangade esperam, na presente campanha agrícola, alcançar uma produção global de mais de 72 mil toneladas, a colher numa área cultivada de perto de 28 mil hectares.

Chuvas irregulares, registadas em apenas 49 dias, tiveram efeito negativo no desenvolvimento vegetativo das culturas em determinadas zonas daquele distrito nortenho de Cabo Delgado, maior produtor de castanha de caju, mas sem impacto relevante.

Nangade produz milho, arroz, mapira, feijões, amendoim, mandioca e outras culturas de menor expressão praticadas pelos agricultores do sector familiar, segundo revelações da nossa fonte.

O secretário permanente do distrito acrescentou que a população se alimenta de produtos agrícolas da presente campanha, o que quer dizer a segurança alimentar está garantida.

Entretanto, o Governo do distrito de Nangade está a promover e incentivar a produção de algumas culturas pouco tradicionais no planalto de Mueda, como seja a batata e feijão manteiga, com sucesso nas zonas baixas, principalmente ao longo do vale do rio Rovuma.

A par da produção agrícola, está a problemática da fraca conservação da rede de estradas que estabelecem a ligação entre as zonas de produção e os mercados de consumo, com algumas rodovias em avançado estado de degradação.

Gilberto António Massute indicou que 80 por cento da rede de estradas de terra batida são transitáveis durante todo o ano, havendo outras quase intransitáveis, como seja a rodovia de Muiha, a inspirar trabalhos da sua manutenção assim que termine o período chuvoso.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!