Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambique ainda não trata 80% de doentes de SIDA

Países africanos como Moçambique ainda não atingiram a meta dos 80 por cento do acesso universal ao tratamento da Sida. A constatação é de um relatório regional, divulgado recentemente pela organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF).

Apesar do tratamento antiretroviral (TARV) ter aumentado em todo mundo, o documento mostra que “ainda há um longo caminho a percorrer nesse sentido, porque cerca de dois milhões de pessoas necessitam da terapia.”

Em Maputo, por exemplo, a MSF conta que atende pacientes das áreas rurais que têm de fazer caras e demoradas viagens à capital moçambicana para conseguirem os preciosos medicamentos. Por causa disso e da redução do financiamento contra a pandemia, a organização prevê que muitos doentes terão de esperar mais tempo para iniciar o TARV, correndo o risco de morrer mesmo antes de tê–lo.

Além disso, a MSF projecta que o volume de pacientes nas unidades sanitárias irá aumentar e os trabalhadores de saúde serão desencorajados pelos maus resultados na saúde dos pacientes. Os pacientes poderão ainda compartilhar as suas pílulas, o que irá reduzir a sua dosagem e aumentar os riscos de transmissão do vírus e da resistência.

Para uma população de cerca de 22 milhões de habitantes, Moçambique tem 1.6 milhão de pessoas vivendo com HIV e Sida, das quais pouco mais de 130 mil beneficiam dos antiretrovirais e cerca de 500 mil precisam do tratamento. Refira-se que os indices de seroprevalência na Zambézia, situam-sem em 19%.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!