Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ministra quer transformar recursos minerais em riqueza

A Ministra moçambicana dos Recursos Minerais, Esperança Bias, reuniu-se na segunda-feira, em Maputo, com os geocientistas nacionais para debater formas de transformar as potencialidades do país em riqueza. A preocupação da Ministra surge pelo facto de Moçambique possuir inúmeras potencialidades na área de recursos minerais, mas que ainda longe de produzir os resultados almejados.

Esta situação levou a que a governante convocasse um encontro com todos os cientistas de áreas relevantes na área de recursos minerais para discutir as formas de maximizar as potencialidades do país. Como exemplo, Bias indicou o caso da província central da Zambézia, onde a exploração de recursos minerais há 50 que é feita de forma artesanal.

O outro caso preocupante é a província central de Manica, que possuiu reservas consideráveis de carvão, ouro, entre outros minérios, mas a sua exploração ainda não está desenvolvida. “Temos cerca de mil títulos de recursos minerais sólidos e 12 contratos na área de hidrocarbonetos, mas sinto que o sector não está a fazer o que devia… o que podemos fazer para garantir que aquelas áreas que o Governo designa possam ser exploradas de forma sustentável e assegurar o desenvolvimento do país?”, questionou a governante.

Respondendo a essa questão, o geólogo Dinis Napito disse ser necessário pensar nas várias vertentes, com destaque para a geológica, política, económica e fiscal. Sobre a componente fiscal, Napito disse que Moçambique está a enfrentar problemas relacionados com a competição com os outros países da região, tais como a Tanzânia, Zâmbia, Zimbabwe, entre outros. “Estes países têm medidas fiscais menos fortes que nós e por isso estão a um nível de desenvolvimento (de recursos minerais) avançado”, disse ele, apontando o factor histórico como outro que atrasou o desenvolvimento de Moçambique, pois não era favorável ao desenvolvimento de recursos minerais.

Na ocasião, a Ministra também manifestou a sua preocupação com a existência de várias empresas que fazem trabalhos de pesquisa há muito tempo (dois ou mais anos) e nunca saem dessa etapa para a de desenvolvimento. Segundo a governante, esses casos são comuns na província central de Manica, onde algumas empresas possuem cinco, 10 ou 20 licenças que quando caducam, elas pedem a sua prorrogação. “Será que isso também tem a ver com o regime fiscal?”, questionou a Ministra, para de seguida acrescentar “há empresas com cinco, 10 ou 20 licenças. Será que posso dizer que posso atribuir cinco licenças e só entregar a sexta quando a empresa iniciar a exploração?”

O geólogo Nelson Amane considera a questão de regime fiscal como sendo “muito séria”, mas disse que as empresas demoram passar da fase de pesquisa para a de desenvolvimento como forma de fazerem um maior aproveitamento das oportunidades do mercado. “Eu creio que as empresas ficam a espera da melhor oportunidade para vender, isto é, quando o preço do minério sobe, ou demoram por causa da falta de capacidade”, considerou. “Se esta empresa tem cinco licenças e não consegue passar para a fase de desenvolvimento, então não devia ter essas licenças porque não tem capacidade”, sublinhou.

Os participantes neste encontro defenderam que o Estado deve reforçar a fiscalização nas zonas exploradas e exigir os operadores a apresentarem relatórios detalhados sobre as suas actividades. Por outro lado, os geocientistas defendem que o Governo deve incluir, na legislação, a obrigatoriedade das empresas processarem alguns minérios dentro do país como forma de agregar valor. Aliás, um dos participantes no encontro defendeu a necessidade de se criar pequenas cooperativas, envolvendo diversas instituições do Estado com a finalidade de munir as comunidades de meios necessários para aproveitarem alguns recursos fáceis de explorar nas suas próprias zonas de residência.

Outro aspecto salientado durante o encontro é a necessidade do Governo realizar estudos detalhados de modo a saber os recursos minerais existentes no país. Entretanto, a Ministra perguntou se seria pertinente/ prioritário o Estado dedicar os seus parcos recursos para fazer pesquisa detalhada, mesmo sabendo que quando o sector privado quiser explorar o recurso, vai realizar o seu próprio estudo para reconfirmar a existência do recurso. Assim aconteceu em Temane, província de Inhambane, onde a petroquímica sul-africana está a explorar gás natural bem como em Moatize, onde a empresa brasileira Vale, por exemplo, vai explorar carvão mineral.

Contudo, os cientistas insistem que é obrigação do Estado estar a par de toda a informação sobre os recursos minerais existentes sem esperar pelo sector privado que, quase sempre, só está preocupado com o seu negócio. Assim, o Governo vai concessionar uma certa área tendo já certeza dos recursos ai existentes. Porém, falando sobre a situação geral da actividade mineira no país, um geólogo que se identificou apenas pelo nome de Gani considerou que o “estágio é muito bom”.

Ele justificou o seu posicionamento com o facto de a exploração mineira ter começado a registar a sua explosão há mais ou menos quatro anos, sendo por isso aceitáveis as dificuldades ora observadas. Por outro lado, Gani explicou que a fase de pesquisa depende muito da estratégia da empresa e do recurso em causa.

Assim, existem empresas que logo depois da primeira pesquisa, avançam para a fase de desenvolvimento, enquanto outras realizam uma série de pesquisas antes de desenvolvimento. Mas há recursos cuja exploração só precisa de ser antecedida por uma única pesquisa.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!