Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Arco-Norte fundamental para a vida das comunidades

O Primeiro-Ministro moçambicano, Aires Ali, classifica o Projecto Arco Norte como instrumento fundamental para o ordenamento territorial e criação de oportunidades económicas, nas áreas de negócio, emprego, geração de receitas bem como criar receitas com vista a melhorar a vida das comunidades.

Com efeito, o governo, segundo Ali, está comprometido com o projecto, porque acredita que ajudará a tornar em realidade aquilo que milhares de moçambicanos sonham que é a construção de um futuro cada vez melhor para todos. O governante moçambicano falou na segunda-feira, em Maputo, na abertura da 3ª Reunião Bienal de Apresentação e Discussão do Plano Director de Turismo do Projecto Arco-Norte, cujo objectivo é divulgar uma nova imagem do país no mundo, como local de interesse e seguro para o investimento em África.

José Augusto Tomo, Presidente do Conselho de Administração (PCA) do Instituto Nacional do Turismo, disse que a aprovação e implementação do planodirector, orçado em cerca de 100 milhões de dólares americanos, poderá levar 130 mil turistas por ano a escalar os locais onde se estará a desenvolver as acções preconizadas no documento. O plano-director, segundo Tomo, será implementado em dois locais de cada uma das três províncias da região norte, nomeadamente Lichinga e Metangula no Niassa, Pemba e Ibo em Cabo Delgado e Lumbo e Sancul em Nampula.

O plano permitirá, segundo Tomo, aos investidores interessados em desenvolver projectos turísticos em Moçambique saber onde os mesmos podem ser edificados, a partir de hotéis, lodges, restaurantes, resortes entre outras infra-estruturas. “Estamos a indicar por antecipação, em função das prioridades, os projectos a desenvolver na área do turismo”, disse Tomo, apontando que o plano permitirá atrair os investidores na área do turismo. O Projecto Arco Norte possui elementos específicos que o tornam diferente dos vários projectos que o sector tem vindo a implementar, porque assenta em três pilares principais, social, económico e ambiental, que são muito importantes nos objectivos do programa do governo.

A conservação de recursos naturais, a preservação da herança histórico-cultural e o desenvolvimento económico são também aspectos preconizados no Projecto Arco-Norte. O Primeiro-Ministro reiterou o pedido de apoio da Agência norteamericana para Desenvolvimento Internacional (USAID), financiadora do projecto Arco Norte, para que o país possa criar uma indústria de turismo internacionalmente competitiva, capaz de gerar benefícios reais às comunidades do país. “É do nosso conhecimento que o actual programa de assistência técnica termina em Setembro de 2010, mesmo antes de iniciarmos a implementação do Plano Director; que o actual programa, será provavelmente substituto por um novo, que irá até 2014′, sublinhou Ali.

O Projecto Arco-Norte foi concebido em 2002, com objectivo de apoiar e desenvolver capacidades dos operadores privados moçambicanos no acesso a fundos para investimentos, melhoria de seus estabelecimentos e serviços e engajá-los em novos investimentos, bem como providenciar liderança no desenvolvimento do turismo e crescimento da zona Norte.

A 3ª Reunião de Apresentação do Plano Director contou igualmente com a presença do Ministro do Turismo, Fernando Sumbana, a Ministra dos Recursos Minerais, Esperança Bias, o Director da USAID, Todd Amani, os PCAs do INATUR, José Tomo, do IGEPE, Hipólito Hamela, entre outras individualidades do sector do turismo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!