Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

México coroado campeão mundial sub-17

México coroado campeão mundial sub-17

O Estádio Azteca estava pintado de verde, com cerca de cem mil fanáticos – 98.943 pessoas, para ser mais exato – na arquibancada. A festava estava toda preparada, e os garotos do México não os decepcionaram. Este domingo, a seleção da casa bateu o Uruguai por 2 a 0 e sagrou-se campeã do Mundo de Sub-17 da FIFA 2011, na Cidade do México.

Estee é o segundo título da competição para os mexicanos, que haviam vencido o torneio do Peru 2005, com uma geração que revelou nomes como o médio Giovanni dos Santos e o atacante Carlos Vela. O Uruguai termina com um hornoso vice-campeonato, a sua melhor colocação na história da competição.

A final

Por pouco mais de 25 minutos, o jogo estava bem ao gosto do Uruguai. Com o seu sistema de marcação intenso, sustentando uma defesa que havia sofrido apenas três golos nas seis partidas anteriores, a equipe dava poucos espaços aos rivais. O primeiro remate a baliza dos anfitriões aconteceu apenas aos 26 minutos, e a bola nem chegou à baliza, saindo pela lateral após um desvio.

O Uruguai combatia com muita força no meio-campo, com cerca de oito homens mais recuados e dois para puxar o contra-ataque. Numa dessas investidas levou um grande perigo a baliza mexicana. Kevin Escamilla falhou ao tentar interceptar a bola no meio-campo pelo alto, e ela sobrou nos pés de Guillermo Méndez. O médio dominou e foi com tudo numa arrancada até chegar à área e fazer o passe para Elbio Álvarez, que bateu de primeira, para fora, saindo à esquerda. Uma oportunidade única desperdiçada e que custou caro.

Aos 31 minutos, o golo mexicano, na sua segunda jogada de perigo. Após um cruzamento da direita, o talentoso médio Carlos Fierro subiu no segundo pau e cabeceou para o centro da pequena área. O capitão e defesa Antonio Briseño estava livre para marcar, sem deixar a bola cair, com seu pé direito. O Azteca foi ao delírio.

Três minutos depois, o Uruguai quase empatou o jogo. Depois de Maximiliano Moreira lutar pela bola na entrada da área adversária, Álvarez, novamente, ficou com a sobra. Ele bateu firme, um rematec rasteiro, e a bola bateu na trave esquerda de Richard Sánchez, num grande susto.

O México voltou do intervalo com a final sob controle, com mais posse de bola, sem deixar o Uruguai à vontade para trocar a bola. A Celeste só conseguia levar relativo perigo apelando para a passes longos para a área mexicana. Numa dessas jogadas, aos 62 minutos, em cruzamento da esquerda, a bola sobrou no pé do atacante Juan San Martín. O central domingou, cortou para a esquerda, escolheu o canto e rematou de chapa. A bola bateu novamente na trave esquerda de Sanchez.

Por outro lado, os mexicanos colocavam pressão no campo ofensivo, apesar de não criar tantas oportunidades. Toda vez que a seleção descia em contra-ataques ou em jogadas trabalhadas, porém, já era motivo para o público no Azteca agitar-se e empolgar-se. Eles também vibraram muito quando o o meio-campista Júlio Gomez entrou em campo aos 63 minutos, ainda com a cabeça protegida por uma bandagem, após seus feitos heróicos na seifinal em Torreón contra a Alemanha. Ele foi recebido com aplausos de pé pelos adeptos.

A vibração foi ainda maior quando entrou o segundo golo, no segundo minuto dos acréscimos, como Giovani Casillas, finalizando um contra-ataque em campo aberto, recebendo assistência de Arturo González. Primeiro veio um grito coletivo. Depois, canto atrás de canto. Afinal, eles vieram ao estádio para comemorar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!