Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Membros do MDM abandonam campanha em Gondola

Membros do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), no distrito de Gondola, província central de Manica, abandonaram a campanha de cacau ao voto a favor do seu partido, exigindo a substituição imediata do actual delegado distrital acusando-o de arrogância e de agir no sentido de destruir aquela formação política. Rodeci Nhangolo, o preferido pelos membros daquele movimento em detrimento do actual delegado Domingos Kombo, disse que em face desta revolta o actual líder anda fugitivo da delegação e os membros estão desesperados, razão porque querem indicar um outro para dirigir os destinos do MDM naquele distrito.

Chamado a tecer considerações sobre o assunto, Domingos Kombo disse não ter conhecimento da revolta nem da paralisado da campanha, “o que sei é que o MDM está a fazer campanha porta-a-porta. A minha ausência na delegação tem a ver com problemas familiares de carácter urgente que tenho a resolver”. Kombo disse ser receptivo quanto a sua possível substituição do cargo de delegado político, destacando que “o que mais me interessa e’ continuar a ser membro do MDM”.

Por seu turno, Rodeci Nhangolo, que diz ser membro fundador numero um do MDM naquele ponto do pais, avançou que o veredicto final sobre se vai ou não assumir os destinos desta organização politica sairá de um encontro a ter lugar na próximas sexta-feira, depois de o mesmo ter sofrido um adiamento devido a ausência do actual delegado.

A orientação deixada pelo líder do MDM, Daviz Simango, quando semana passada escalou esta parcela do pais foi a de que o partido devia fazer campanha porta-a-porta e nalguns momentos organizar caravanas e encontros populares para difundir a mensagem de ‘caça’ ao voto, mas, segundo fontes desta formação politica, nada disso acontece porque o membros andam revoltosos. “Domingos Kombo mente a imprensa dizendo que o MDM esta a fazer campanha porta-a-porta nos bairros 7 de Abril e Josina Machel, quando na realidade não se esta a fazer nada. Eu fiz questão de me deslocar a estes pontos e constatei que não se estava a fazer nada. Tudo quanto se diz de campanha aqui do distrito e’ mentira”, vincou.

Para fundamentar a sua posição, Nhangolo disse que devido a sua ‘antipatia’ o actual líder não consegue reunir o numero necessário de delegados de lista para cobrir todo o distrito, possuindo neste momento apenas 115 elementos, numero suficiente apenas para cobrir as mesas de voto na vila autárquica e não os restantes bairros. “Ate os meus amigos da Frelimo perguntam-me afinal o que se passa com o teu MDM não estamos a ver nada e eu lhes respondo que estou a fazer os meus negócios porque no meu partido as pessoas colocaram os seus interesses acima dos interesses da organização”, disse.

Nhangolo referiu que para criar o MDM em Gondola ele, que era membro da Renamo, liderou uma campanha de mobilização tendo conseguido desertar vários membros do partido de Afonso Dhlakama.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!