Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mecula: animais bravios e pedras preciosas na mira de tanzanianos

As autoridades governamentais em Mecula, província de Niassa, norte de Moçambique, dizem estar preocupadas com o aumento de casos de abate ilegal de elefantes e outros animais bravios que habitam a Reserva do Niassa.

Uma fonte citada pela Rádio Moçambique, estação pública, disse que, à frente deste abate indiscriminado, encontram-se cidadãos da vizinha Tanzânia, interessados sobretudo no marfim e peles de animais bravios. Para além da caça furtiva, os cidadãos tanzanianos também são acusados de extrair ilegalmente recursos minerais, sobretudo pedras preciosas, de que Mecula é rico.

Segundo a fonte, estas irregularidades ocorrem devido a incapacidade das autoridades de controlar os movimentos ao longo da fronteira entre os dois países. “Por detrás desses caçadores estão cidadãos moçambicanos”, disse a fonte da RM, para quem o fenómeno já é do conhecimento do governo da província do Niassa.

Nas províncias do Niassa e Cabo Delgado, a caça furtiva e o abate ilegal de recursos florestais, envolvendo cidadãos tanzanianos com apoio de moçambicanos, tem sido denunciado amiúde pelos órgãos de comunicação social.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!