Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mecanismos de contratação de trabalhadores estrangeiros em análise

O Regulamento que estabelece os mecanismos e procedimentos para a contratação de mão-de-obra estrangeira em Moçambique será alterado para responder às preocupações do sector petrolífero no país.

É que o sector petrolífero, que começa a ter expressão no país, tem especificidades que não estão acomodadas no regulamento em vigor. A Comissão Consultiva do Trabalho (CCT) está a trabalhar no assunto e foi criada uma missão encarregue em apresentar propostas concretas.

De acordo com Alcino Dias, secretário geral da CCT, o sector petrolífero tem especificidades muito próprias que devem ser consideradas, nomeadamente: trabalho de curta duração e exigência de formalidades documentais.

O regulamento exige que qualquer empresa apresente o número exacto de trabalhadores e documentação formalizada, quanto pela especificidade da actividade petrolífera, alguns trabalhadores são contratados temporariamente para a realização de pesquisas ou estudos.

Por outro lado, as empresas contratam pessoal antes de as actividades concretas ocorrerem no terreno. A contratação de estrangeiros neste sector e’ muito elevada devido à falta de quadros especializados na pesquisa.

“Pretende-se fazer alterações pontuais de aspectos que estão a constituir nós de estrangulamento na aplicabilidade e implementação da questão da contratação de estrangeiros. Pretende-se dar resposta a questões e preocupações que não se adaptam ao sector petrolífero que tem especificidades muito próprias em relação ao que está em vigor”, explicou.

Dias acrescentou que “outras alterações tem a ver com requisitos exigidos e outros esclarecimentos pontuais sobre a contratação de mão de obra estrangeira sem retirar o rigor que se pretende neste processo”.

A fonte frisou que a essência da alteração é criar mecanismos que facilitem a contratação de mão-de-obra estrangeira necessária para o país.

O Governo estabeleceu, em 2008, através de um Regulamento que estabelece os mecanismos e procedimentos para a contratação de cidadãos estrangeiros em Moçambique, um regime de cotas para a contratação de mão-de-obra estrangeira no país, excepto para actividades ligadas a pesquisa.

Desta feita, as grandes empresas estão autorizadas a ter apenas um número de trabalhadores estrangeiros correspondente a cinco por cento do total de trabalhadores que possuam. Assume-se que uma grande empresa possui mais de 100 empregados.

As medias empresas, aquelas que têm entre 10 e 100 trabalhadores, podem ter oito por cento de estrangeiros no seu quadro de pessoal, enquanto que as pequenas firmas, que possuem até 10 empregados, estão autorizados a possuir um número de trabalhadores não moçambicanos correspondente a 10 por cento.

A luz deste novo dispositivo, as empresas ou entidades que pretendam contratar mão-de-obra estrangeira deverão submeter os seus pedidos ao Ministério do Trabalho (MITRAB), que vai avaliar e decidir positiva ou negativamente, como vinha acontecendo.

Porém, a diferença neste caso é que o MITRAB não toma a sua decisão apenas em função da necessidade do trabalhador na empresa, mas sim tendo em conta o número de estrangeiros que a referida firma possui.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!