Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Organização Mundial da Saúde renova compromisso na luta contra a Malária

A Organização Mundial da Saúde (OMS) continuará a trabalhar com os países membros e seus parceiros na promoção e integração do controlo do paludismo (malária) nas políticas e nos planos de saúde e de desenvolvimento.

Esta organização da ONU compromete-se a continuar a mobilizar financiamentos interno e externo, fomentar parcerias público – privadas, apoiar o alinhamento dos intervenientes e prestar orientações e assistência para assegurar o uso eficaz de recursos.

A determinação está contida na mensagem do Director da OMS para a Região Africana, Luís Sambo, cuja copia a AIM teve acesso, por ocasião do 25 de Abril, dia mundial de luta contra a Malária, efeméride que este ano se assinala sob o lema ‘Alcançar Progressos e Causar Impacto’.

A multiplicação de esforços e apoio as iniciativas para a abolição de impostos e taxas nos produtos primários usados para o combate ao paludismo e a proibição da comercialização das monoterapias orais à base de artemisinina são outras metas que a OMS, através da direcção regional, se compromete a realizar.

Com vista a consolidar as conquistas obtidas até ao momento, é preciso garantir uma governação rigorosa para reforçar o desempenho e a responsabilização, mobilização de recursos adicionais, e associar o desenvolvimento de programas contra a doença e o reforço dos sistemas de saúde.

Entre os desafios fundamentais que os países devem suplantar mencionam-se ainda a fraca capacidade de vigilância, monitoria e avaliação, e as plataformas de investigação operacional inadequadas.

A implementação de medidas regulamentadoras, tais como a proibição das monoterapias orais à base de Artemisinina e a monitorização inadequada da resistência dos parasitas aos antipalúdicos e da resistência dos mosquitos aos insecticidas, estão entre os grandes desafios do sector da malária no mundo.

Até ao fim de 2010/11 países como a Argélia, Botswana, Cabo Verde, Eritreia, Madagáscar, Namíbia, Ruanda, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Swazilândia, Zâmbia e Zanzibar (na Tanzânia) registaram uma redução superior a 50 por cento nos casos e nos óbitos por paludismo.

A percentagem de agregados familiares que possuíam pelo menos uma rede mosquiteira impregnada (ITN) era de 42 e 35 por cento nas crianças menores de cinco anos e 27 países notificaram a implementação da Pulverização Residual Intra domiciliária (PRI).

O facto permitiu que 73 milhões de pessoas – cerca de 10% da população em risco de paludismo na Região – beneficiassem da protecção oferecida pela PRI; 33 países adoptaram uma política de testes parasitológicos de todos os casos suspeitos de paludismo e 35 por cento dos casos na Região foram confirmados através de um teste de diagnóstico.

Luís Sambo disse, por outro lado, que a comemoração deste ano marca o final da Década da ONU para Fazer Recuar a Malária e constitui uma oportunidade para renovar a visão e compromisso comuns, à medida que se avança com o intuito de alcançar os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), em 2015.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!