Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mamparra of the week: Afonso Dhlakama

Mamparra of the week: Saqueadores do Estado moçambicano

Meninas e Meninos, Senhoras e Senhores, Avôs e Avós

O mamparra desta semana é o líder da Renamo, Afonso Dhlkama, cujos homens (dispersos), alegadamente em legítima defesa face às provocações das Forças Armadas de Defesa e Segurança, têm estado a matar cidadãos inocentes.

Em meados do ano passado, o académico Lourenço do Rosário, em entrevista publicada num semanário local, teria dito que as reivindicações da Renamo tinham a sua razão de ser. Refira-se que ele tem sido um elo entre as partes em conflito – Governo e Renamo – a bem da paz!

Mas o líder da Renamo, ao invés de retaliar, querendo, deve ter como alvos militares e não civis – incluindo menores – que não têm nada a ver com as palavras (e alguns nem sabem o que significam) paridade, despartidarização do Estado, etc.

Os relatos de assassinatos de civis agora são quase que diários, e a pergunta teima em sair de forma lancinante: que mal fizeram eles, senhor líder da Renamo?

Quando em Abril mandou atacar um alvo paramilitar, Afonso Dhlakama disse para todos os holofotes, a partir de Sathunjira, que tinha sido ele quem dera a ordem de ataque à esquadra de Muxúnguè.

Estas mamparrices são crimes hediondos. É inconcebível que um líder que protesta, ainda que de forma hilariante, o estatuto de “pai da democracia”, manifeste um desprezo condenável pela vida alheia.

As diferenças de opiniões entre a Renamo e o Governo devem ser ultrapassadas através do uso da palavra. É de todo condenável que as diferenças de pensar impliquem necessariamente o derramamento de sangue.

A Renamo, como qualquer outro partido, não conhece todos os moçambicanos eleitores que escolheram este partido nas últimas eleições gerais, o que lhe fez garantir 51 vagas na Assembleia da República.

Portanto, Afonso Dhlkama pode estar a matar os seus próprios eleitores na sua absurda investida contra civis que atravessam a região centro do país. A paridade não é mais importante do que a vida de uma pessoa.

Dhlkama parece ter assinado um pacto com o diabo.

Que raio de brincadeira é esta afinal?

É que alguém tem que pôr um travão neste tipo de mamparices.

Mamparras, mamparras, mamparras.

Até para a semana, juizinho e bom fim-de-semana!

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!