Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mais um linchamento na cidade da Beira

A cidade da Beira, capital da província central de Sofala, voltou na quarta-feira a ser palco, pela terceira vez consecutiva num espaço de cerca de duas semanas, de mais um linchamento. O acto ocorreu no Bairro de Macurungo quando um jovem, que teria se apoderado de bens alheios, foi surpreendido por residentes locais, segundo soube a AIM, na cidade da Beira, de alguns populares. A policia moçambicana em Sofala não escondeu a sua preocupação pela continua ocorrência de casos de justiça pelas próprias mãos, apelando, mais uma vez, para que os beirenses e não só “evitem emoções”.

“Vamos evitar emoções. Os criminosos não devem ser combatidos através de linchamentos mas através de instituições de justiça, em colaboração com a própria população. A população quando consegue neutralizar um criminoso deve entrega-lo a justiça”, disse um oficial da Polícia local. Entretanto, esta ultima Terça-feira, a cidade da Beira voltou a viver momentos de pânico quando populares optaram por actos de vandalismo contra o posto policial de Muchatazina e esquadra do populoso bairro da Munhava.

Os mentores de tais actos, que nas duas ocasiões acabaram se dispersando quando a policia recorreu a armas de fogo, protestavam contra uma alegada soltura de um raptor de crianças. Tal suspeito escapou a um linchamento momentos depois de ter sido visto na zona da maternidade do hospital urbano da Munhava.

Algumas correntes acreditam que ele teria se dirigido aquele hospital para tratamento. Porem, a Policia já reagiu a esta ocorrência afirmando que investigações até aqui levadas acabo em nada confirmam que o suspeito é, de facto, raptor de menores. Suspeita-se que o mesmo sofre de perturbações mentais.

O partido Frelimo, através do portavoz do seu gabinete eleitoral a nível da cidade da Beira, Jossefo Nguenha, também já se manifestou contrario a esta onda de agitação, acusando os partidos políticos da oposição de estarem por detrás da situação, procurando “politizar a criminalidade”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!