Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mais de 900 mil meticais somem do sector de Educação de Machaze

Mais um escândalo financeiro acaba de abalar o sector da Educação em Manica, desta vez, está o sumiço de novecentos mil meticais, cerca de 33 mil dólares, que estavam depositados numa conta bancária da Direcção dos Serviços da Educação, Juventude e Tecnologia do Distrito de Machaze.

Benedito Vasco Muhate, responsável da Administração e Finanças da instituição, é acusado de desvio deste valor dos cofres do Estado, que se destinava à assistência de crianças órfãs e vulneráveis daquele distrito, que se localiza no sul da província de Manica.

Não se sabe efectivamente como é que o rombo terá acontecido, mas dados em nosso poder indicam que o desvio de fundos ocorreu nos finais de Julho último e foi prontamente denunciado pelo director distrital da Educação, responsável máximo da instituição onde se verificou o sumiço do dinheiro.

O administrativo teria constatado e denunciado que o dinheiro depositado na conta da instituição estava a ser sistematicamente transferido para contas de singulares que de alguma forma terão ficado envolvidos no sistema de fraude financeira que se supõe que não seja a primeira vez.

O acusado encontra-se fugitivo do distrito e da província, mas consta que já terá sido encontrado e capturado pela Polícia na província de Inhambane, a sul do país.

O caso já foi remetido à Procuradoria Distrital de Machaze e à PRM local, visando apurar o arquitecto do referido rombo financeiro e outros intervenientes no processo, para que sejam responsabilizados pelo crime, conforme avançou uma fonte do sector em Machaze ao nosso jornal.

As autoridades policiais, na voz do porta-voz do comando da PRM, em Manica, também confirmaram o sucedido. “O caso já está nas mãos das entidades judiciárias, ou seja, a PRM e a procuradoria. Estamos a trabalhar no sentido de responsabilizar o praticante deste furto”, explicou Mutadiua.

A nível da província, casos do género têm sido frequentes, principalmente no sector da Educação e Cultura, onde têm sido levantados salários e horas extras de professores “fantasmas”, conforme o porta-voz da PRM afinaçou.

Este tipo de casos já levou à cadeia mais de 30 funcionários públicos, dos quais alguns foram despromovidos, outros suspensos ou expulsos.

Muitos dirigentes e funcionários do aparelho do Estado em Manica têm estado envolvidos em desvio de fundos do Estado.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!