Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Magaia gazeta à reunião com trabalhadores da FACIM

Sem dar nenhuma satisfação do seu comportamento e depois de ele,”pessoalmente, ter convocado a reunião para esta terça-feira”, o Presidente do Conselho de Administração (PCA) da Feira Internacional de Maputo (FACIM), Américo Magaia, faltou ao encontro para anunciar a rescisão unilateral dos contratos de pouco mais de 40 assalariados com aquela instituição. “O Magaia não apareceu ao encontro e nós estamos ainda à espera dele e não sabemos se virá hoje ter connosco”, palavras de Júlio Boene, do Comité Sindical dos trabalhadores da FACIM, falando ao Correio da manhã sobre o tal encontro.

Ele disse ainda que apenas estavam na sala de reuniões Kekobal Patel, da CTA (Confederação das Associações Económicas de Moçambique), e um representante de uma empresa de auditoria, “os quais foram-se embora depois de muito esperarem sem informação das razões da ausência do presidente Magaia”, esclareceu Boene. Sobre os passos a seguir pelos trabalhadores após este malogro, Boene disse que decidiram esperar “até nos encontrarmos com ele, porque queremos saber o que será de nós após o encerramento da FACIM”.

Questionado sobre se aceitam ser indemnizados, a fonte ripostou dizendo “queremos as nossas indemnizações e definição clara do que faremos depois do despedimento”. Quanto à informação em poder do Cm indicando que os assalariados estavam contra a venda da FACIM a agentes económicos da simpatia do PCA, o representante do comité sindical daquela instituição disse que nada agora se pode fazer após a venda das acções (31%) de Magaia à Delta Trading por cerca de quatro milhões de dólares norte-americanos (Cm n° 3215, pág.1).

Os restantes três sócios da FACIM são, nomeadamente, CTA, com 39% de acções, GTT (Gestores, Técnicos e Trabalhadores), com 20%, e IPEX (Instituto para Promoção das Exportações), com 10% de acções. A FACIM está a ser privatizada por ordens de um despacho da Primeira-Ministra, Luísa Diogo, datado de Abril de 2009, ao valor de 12 milhões de dólares norte-americanos.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!