Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Liga Portuguesa: Benfica derrota Paços de Ferreira e lidera confortável

Três golos sem resposta numa exibição competente, mesmo em ritmo de passeio. Assim se pode definir a actuação do Benfica na noite desta sexta-feira, perante um Paços de Ferreira que foi quase inexistente em termos ofensivos – uma espécie de tradição na Luz, onde o clube apenas venceu um dos 21 jogos que lá disputou.

Para Rui Vitória foi uma noite descansada como pretendia, até porque se segue a recepção ao Dínamo Kiev e uma viagem ao Dragão, onde a equipa entrará como líder. E com o incrível registo de 61 pontos conquistados nos últimos 63 que disputou…

A superioridade do Benfica ficou evidente praticamente desde o início do jogo. Pedrinho, o melhor dos pacenses, ainda tentou dois remates dentro dos primeiros três minutos, que Ederson resolveu sem problemas, mas a partir daí a equipa de Rui Vitória tomou as rédeas do jogo e, mesmo sem forçar muito, foi criando situações de perigo na área pacense.

Os encarnados já encontraram o seu “ritmo de cruzeiro”, pelo que dominam sem grandes problemas todos os momentos do jogo, independentemente de quem jogue a titular – o técnico da casa utilizou ontem o seu 13.º onze diferente em 14 jogos, com o campeão europeu Eliseu a estrear-se a titular devido aos problemas físicos de Grimaldo.

O Paços sentia cada vez mais problemas para esticar o seu jogo e acabou por ficar em desvantagem aos 26 minutos. Mais uma vez, Mitroglou a estar na génese do lance, libertando-se da marcação e dando a Cervi, que sozinho desmarcou Gonçalo Guedes. O jovem entrou na área descaído pela direita, encheu o pé e bateu Defendi com uma bomba que passou entre o brasileiro e o poste – há um ano que Guedes não marcava na Liga, ele que se estreou a fazer o gosto ao pé exactamente frente aos pacenses, em Setembro de 2015.

A segunda parte começou com o Paços mais atrevido mas aí foi a vez de Fejsa se evidenciar, sempre a “limpar” a zona frontal à sua grande área. A única excepção sucedeu em mais um remate de Pedrinho, de fora da área, que saiu bem perto do poste direito de Emerson (50″).

Mesmo sem forçar, o Benfica continuou a procurar o golo da tranquilidade, que surgiu à passagem dos 64´, na melhor jogada do desafio, apesar de iniciada em mais uma perda infantil dos nortenhos na saída para o ataque. A bola chegou a Eliseu na esquerda, que centrou para a entrada da área, onde Mitroglou a deixou passar por entre as pernas para a conclusão de Salvio.

O argentino ainda podia ter bisado, mas Defendi voltou a brilhar, apenas para Carrillo desperdiçar a recarga contra um defesa contrário. Para o terceiro golo aparecer foi preciso Pizzi surgir mais adiantado nos minutos finais: chegado à área, passou pelos defesas pacenses como faca quente em manteiga e finalizou com classe, colocando o último retoque no marcador.

A Luz pôde assim celebrar tranquilamente o seu 13º aniversário, com o reeleito Luís Filipe Vieira visivelmente satisfeito na bancada. Afinal de contas, neste momento, o Benfica parece o candidato mais credível na luta pelo título. E pelo tetra.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!