Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Kerry defende liberdades e diz que os americanos têm “direito de ser estúpidos”

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, fez uma defesa, Terça-feira (26), à liberdade de religião, de expressão e pensamento nos Estados Unidos diante de uma plateia de estudantes alemães e disse que nos EUA “tens o direito de ser estúpido, se quiseres ser”.

“Como um país, como sociedade, vivemos e respiramos a ideia de liberdade religiosa e tolerância religiosa, qualquer que seja a religião, e liberdade política e tolerância política, qualquer que seja o ponto de vista”, disse Kerry aos estudantes, em Berlim, a segunda parada da sua viagem inaugural como secretário de Estado.

“As pessoas às vezes se perguntavam por que a nossa Suprema Corte permite que um ou outro grupo participe de manifestação mesmo que seja a coisa mais provocante no mundo…”, acrescentou. “A razão é que isso é a liberdade, a liberdade de expressão. Nos Estados Unidos tens o direito de ser estúpido, se quiseres ser”, disse Kerry, provocando risos.

“E nós toleramos isso”, disse. “Agora, acho que isso é uma virtude. Acho que isso é algo que vale a pena lutar”, acrescentou. “O importante é ter a tolerância para dizer tu sabes, tu podes ter um ponto de vista diferente.”

Kerry fez os comentários na sua primeira viagem ao exterior desde que assumiu o cargo de secretário de Estado a 1 de Fevereiro. Depois de passar por Londres e Berlim, ele visita Paris, Roma, Ancara, Cairo, Riad, Abu Dabi e Doha antes de retornar a Washington a 6 de Março.

Ao falar aos alunos e mais cedo com diplomatas dos EUA, Kerry relembrou o tempo que passou em Berlim na década de 1950 como o filho intrépido de um diplomata norte-americano e recontou as aventuras com a sua bicicleta por Berlim Oriental.

“Eu costumava ter grandes aventuras. A minha bicicleta e eu éramos melhores amigos. E eu pedalava toda esta cidade. Isso foi em 1954 … a guerra ainda estava presente na mente das pessoas”, disse aos diplomatas.

“Com 12 anos de idade, vi a diferença entre o Oriente e o Ocidente”, disse mais tarde aos alunos. “Eu nunca fiz outra viagem como essa. Mas nunca esqueci.”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!