Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Jovem morre carbonizada num incidente pouco claro na Maxaquene

Uma jovem, que em vida respondia pelo nome de Célia Lhaluco, 29 anos de idade, morreu carbonizada na madrugada de quarta-feira e o namorado, Wazir Ide Issufo, 30, contraiu queimaduras graves no bairro da Maxaquene, capital moçambicana, num episódio ainda com zonas de penumbra.

O relacionamento deles era caracterizado nos últimos dias por desentendimentos provocados pela interferência, na vida dos dois, da antiga namorada do jovem Wazir.

Ao que o matutino Notícias apurou de fontes familiares, as últimas discussões tiveram como origem mensagens enviadas e chamadas telefónicas feitas para o telefone do jovem pela ex-namorada deste.

Maria Orlanda, mãe do jovem, disse esta quinta-feira (31) àquele jornal que o seu filho terminou uma relação com uma rapariga no primeiro semestre do ano passado, altura em que intensificou o seu envolvimento com a Célia Lhaluco, com quem planeava constituir família, brevemente. Tudo se desenrolava a contento até que recentemente a malograda leu, no telefone do namorado, mensagens e chamadas telefónicas feitas pela antiga parceira de Wazir.

Uma tentativa de busca de solução do problema teve lugar no domingo, sob mediação de uma vizinha. No fim, o diferendo parecia ter sido ultrapassado e os dois namorados terão sido vistos terça-feira (29) à noite numa das barracas do bairro.

Contudo, pouco depois da meia-noite, no interior de uma viatura VW, cor preta, pertencente a Wazir, a malograda terá deitado gasolina sobre os dois, ateando fogo em seguida. Na altura afirmava, segundo relatos feitos à mãe por testemunhas, que “chega de andares a trair-me, vamos morrer juntos”.

Maria Olinda, visivelmente abalada com o que aconteceu que foi na tentativa de evitar a morte da namorada, já em chama, que o seu filho contraiu ferimentos na parte frontal do corpo.

Noé Lhaluco, irmão mais velho da malograda, afirmou que não se sabe, ao certo, como é que tudo aconteceu, embora haja na família quem avente a possibilidade de ter se tratado de assassínio. “Só as investigações dirão o que realmente aconteceu. O que sabemos é que estava com o namorado com quem terá discutido por alguma razão”, sublinhou.

A jovem, que deixa dois menores de 8 e 12 anos de idade, vai a enterrar esta sexta-feira (01) no Cemitério de Lhanguene, antecedido de velório na casa dos pais junto ao campo do Clube Desportivo 1º de Maio.

Polícia diz que houve assassinato

Se para as duas famílias, a morte daquela jovem e ferimento do namorado ainda carece de explicação, para a Polícia o cenário está explicado. Orlando Mudumane, porta-voz da Polícia a nível da capital, disse ao Notícias que o jovem deitou combustível sobre ela e a namorada e ateou fogo.

Mudumane não indicou que elementos a corporação possui para acreditar na hipótese de assassinato.

A versão da Polícia é rebatida por algumas pessoas na zona que não conseguem entender por que é que o jovem tomaria a decisão de matar a namorada, queimando-a, no seu próprio carro em plena Avenida das FPLM e junto da ruela que dá acesso à casa da sua mãe.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!