Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Jovem baleado mortalmente por recusar ordem da polícia

Um jovem de 22 anos idade foi alvejado mortalmente, última Quarta-feira(20), no bairro da Manga, cidade da Beira, por um agente da Polícia moçambicana (PRM) alegadamente por ter recusado dirigir a motorizada para uma esquadra da corporação naquela urbe do Centro do país.

 

 

Trata-se do jovem Manuel Domingos Ventura, que foi interpelado por volta das 21 horas de Quarta-feira pela PRM por estar numa motorizada sem iluminação. Na altura, Ventura estava na companhia de um seu amigo Enemene Toni, o motociclista.

A edição da Sexta-feira do “Diário de Moçambique” escreve que a vítima foi alvejada mortalmente por um agente da PRM, Inácio Lenarte Arcai, também jovem de 24 anos afecto a unidade da Força de Intervenção Rápida (FIR), alegadamente porque os dois se recusaram a dirigir a motorizada para a oitava esquadra da PRM.

“Depois de apresentarmos toda a documentação da mota, o polícia disse-nos para levarmos a mota para a Esquadra. Antes de nos pronunciarmos sobre a orientação, um dos agentes da polícia imobilizou o meu amigo e começou a espancá-lo. Na tentativa deste fugir, o polícia disparou directamente para o corpo do Ventura”, disse Enemene Toni.

Toni conta que deu boleia ao seu amigo Ventura para irem cobrar uma dívida num local distante. O caso levantou polémica, com o tio da vítima a deslocar-se ao local da ocorrência decidido a fazer justiça pelas próprias mãos contra o agente da FIR que tirou a vida ao seu sobrinho.

Contudo, ele encontrou o agente da FIR ainda furioso, que também esteve disposto a disparar contra o tio da vítima, de nome Luís Nhama, bem como contra a multidão que se aglomerou no local. Mesmo assim, Luís Castigo Nhama conseguiu arrancar a arma do tipo AKM ao agente da FIR, tendo tirado dela o carregador, na altura contendo 30 balas.

“O meu sobrinho não fez nada, não entrego este carregador antes do funeral do meu sobrinho. Outros polícias vieram aqui pedir o carregador, disseram-nos que se tratou de algo que sucedeu. Aquilo não é exactamente comportamento de um polícia, disparar directamente contra um cidadão, seja de que problema for”, disse ele.

Entretanto, o oficial de imprensa no Comando Provincial da PRM de Sofala, Mateus Mazibe, afirmou que tudo se deu no meio de ânimos exaltados.

“Numa situação de empurra-empurra, o cidadão baleado pretendia arrancar arma ao polícia”, explicou ele.

Mazibe disse ainda que o agente da polícia está sob controlo na unidade do Comando Provincial da PRM e haverá condições de recuperar o carregador da arma ora nas mãos do tio do finado. Contudo, testemunhas oculares dizem que o referido agente da FIR estava sob efeito de álcool. Mas Mazibe negou essas acusações, justificando que, para se apurar tal alegação, passa necessariamente por um teste alcoolémico.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!