Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Japão compra soja do centro e norte

O Japão está interessado em adquirir cereais oleaginosos produzidos através de métodos orgânicos nas províncias de Nampula e Zambézia, segundo dados em nosso poder que apontam para o mês corrente a assinatura de um acordo com uma firma daquela nação asiática para o fornecimento de quantidades de soja que rondam entre 200 a 300 toneladas anuais.

Consultores de uma reputada companhia nipónica denominada Itochu corporation encontram-se, desde semana passada, a trabalhar no distrito de Gurúè, na província central da Zambézia, considerada o centro da produção de soja na região centro-norte.

O objectivo da sua deslocação àquela região, de acordo com Gerson Daniel, gerente da Ikuru, empresa de comercialização de insumos e produtos agrícolas de Nampula, que lidera o processo, tem como objectivo principal certificar as capacidades existentes ao nível local para produção e formas de armazenamento da soja produzida pelos camponeses do sector familiar e associativo.

Basicamente, a equipa de consultores daquela companhia nipónica com larga experiencia no uso da soja para várias finalidades no contexto alimentar, pretende certificar que os Produtores Associados da Zambézia e Nampula usam fertilizantes orgânicos no processo de produção.

E, adicionalmente, avaliar o padrão de qualidade de armazenamento da soja de forma a não sofrer ataques que possam influenciar a sua qualidade.

Gerson Daniel avançou que a Itochu Corporation está interessada em processar a soja que vai adquirir nas províncias do centro e norte do país para a produção de óleo alimentar e leite.

Do bagaço daquela oleaginosa que, em Nampula, é produzida nos distritos de Malema e Ribáuè, extraem-se rações para alimentar diversas espécies de gado.

A fonte do Wamphula Fax revelou que algumas organizações não governamentais e empresas privadas, que desenvolvem programas de fomento da soja em Nampula e Zambézia, mostram-se interessadas em adquirir quantidades de sementes daquela cultura como forma de acelerar o processo de produção para fazer face à demanda no mercado.

Até ao momento, um lote estimado em 200 toneladas de sementes de soja foi comprado pelas ONGs e empresas privadas que fomentam a cultura em Nampula e Zambézia.

Outras culturas produzidas na província de Nampula cujos volumes não satisfazem neste momento o mercado, são amendoim e gergelim, de acordo com Gerson Daniel, que atribui à estagnação dos níveis de produção nos últimos tempos como a principal razão.

Pelo que, na sua óptica, devem ser repensadas as estratégicas em curso afim de estimular o crescimento daquela região dotada de elevado potencial para a prática daquela cultura.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!