Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Já há mais uma equipa com o título de campeão nacional

Moçambola regressa este fim de semana e Liga pode fazer bi-campeonato

Textáfrica, Ferroviário de Maputo, Têxtil de Púnguè, Costa do Sol, Desportivo, Maxaquene, Matchedje e Ferroviário. Todos eles comemoram pelo menos um título de campeão nacional. Nenhum deles tem menos de 25 anos de existência. A partir de agora, o nosso campeonato de futebol tem mais uma equipa com o mais alto galardão do futebol moçambicano: Liga Desportiva Muçulmana.

Todos os campeões Nacionais

2010 – Liga Muçulmana

2009 – Ferroviário de Maputo

2008 – Ferroviário de Maputo

2007 – Costa do Sol

2006 – Desportivo

2005 – Ferroviário de Maputo

2004 – Ferroviário de Nampula

2003 – Maxaquene

2002 – Ferroviário de Maputo

2000/2001 – Costa do Sol

1999/2000 – Costa do Sol

1998/99 – Ferroviário de Maputo

1997 – Ferroviário de Maputo

1996 – Ferroviário de Maputo

1995 – Desportivo

1994 – Costa do Sol

1993 – Costa do Sol

1992 – Costa do Sol

1991 – Costa do Sol

1990 – Matchedje

1989 – Ferroviário de Maputo

1988 – Desportivo

1987 – Matchedje

1986 – Maxaquene

1985 – Maxaquene

1984 – Maxaquene

1983 – Desportivo

1982 – Ferroviário de Maputo

1981 – Têxtil do Púnguè

1980 – Costa do Sol

1979 – Costa do Sol

1978 – Desportivo

1977 – Desportivo

1976 – Textáfrica

 

Breve historial do campeão

O clube foi fundado a 8 de Novembro de 1990, mas os seus estatutos foram publicados no BR a 26 de Maio de ‘93. A primeira actividade desportiva movimentada foi o futebol de salão, mas tarde surgiu o futsal como corolário da evolução daquela modalidade. Depois seguiu-se o andebol, o basquetebol e o cricket. A primeira assembleia-geral do clube elegeu Ibrahimo Laher como primeiro presidente da agremiação, sendo Ahmad Makda, actual director desportivo, secretário-geral.

 

Futebol 11

Na época 2003/2004 o clube inscreveu uma equipa de futebol 11 na Associação de Futebol da Cidade de Maputo (AFCM), a qual terminou como quarta classificada. Mabjaia, ex-central do Ferroviário de Maputo, na década ‘80, foi o primeiro treinador. Entretanto, não terminou a época e foi substituído por Takim Hoi. Refira-se que, nessa época, alguns jogadores da equipa de futsal fizeram parte do plantel da formação que disputou o campeonato da cidade, nomeadamente Faruquito, Nino e Manuel.

Em 2004/2005 a Liga conquistou o seu primeiro título de futebol 11, o campeonato da cidade, com Takim Hoi como treinador principal. Com o título no bolso os muçulmanos disputaram o acesso ao Moçambola, mas acabaram na segunda posição, da Zona Sul, atrás do Estrela Vermelha. Em 2006, o ex-internacional moçambicano, Sérgio Faife, tomou as rédeas do clube e sagrou-se campeão da Divisão de Honra. Assim, a Liga Muçulmana qualificou-se para o Moçambola-2007.

 

Reacções

Ainda no relvado ouvimos alguns dos protagonistas do primeiro título dos muçulmanos. Silvério, que no defeso trocou o Costa do Sol pela Liga, sublinhou o “primeiro título” do clube e dedicou-o à sua família.

Maurício prometeu “mais força” para a próxima temporada. “Sinto-me a pessoa mais feliz do mundo por ser campeão nesta equipa que me deu a oportunidade de ter um lugar. Estou muito contente por toda a gente. Este é o meu segundo título. Dedico-o à minha família e as pessoas que sempre estiveram ao meu lado na Liga Muçulmana”, completou.

Pouco antes, Maurício deixou claro que “o trabalho todo valeu a pena”. “Mostramos que somos a melhor equipa do país. A equipa está toda de parabéns”.

Silvério: “Estou contente, é uma festa que merecíamos. É um grupo com objectivos bem claros e que conseguiu o que queria. Fomos a equipa mais regular. Para mim é uma vingança por aquilo que passei no ano passado. Este título é mais especial porque as coisas saíram-me melhor. Quero dedicar o título à minha mulher, filha e toda a família”.

Aguiar: “Temos feito um trabalho muito bom. Acreditámos nos métodos do treinador e soubemos ultrapassar as dificuldades. É bom, é sempre bom ganhar e ser campeão. Fizemos um campeonato com algum sofrimento mas ganhamos com justiça. Fizemos uma época em grande e estamos todos de parabéns. Agora temos que continuar a trabalhar da mesma maneira”.

Artur Semedo: “Mostramos ao longo da época que somos a melhor equipa. Estamos todos de parabéns. Os jogadores foram grandes profissionais. É sempre muito bonito conquistar um títuloa. Temos um grupo muito unido, uma grande mística a nível de médicos, jogadores, directores-gerais. O presidente sabe escolher as pessoas para os lugares certos”.

 

1ns do título

Camisola número um – É norma no futebol, a camisola número um pertencer ao guarda-redes titular. Na Liga Muçulmana é diferente. Victor só jogou 90 minutos. Na maior parte do campeonato viu Binó e Neco a jogarem.

Um golo – A Liga Muçulmana marcou várias vezes um golo num jogo. Ao todo foram 10 vezes. Em seis vitórias, duas derrotas e dois empates.

Um negócio – A administração da Liga Muçulmana vendeu Jumisse, elemento preponderante para Artur Semedo. Os valores que envolveram a transferência não foram revelados, mas a direcção referiu que pensou mais no atleta do que nos cofres do clube.


Um goleador – Carlitos foi o jogador que mais golos marcou na equipa de Artur Semedo. O meio-campista foi, de longe, o jogador mais regular. Carlitos festejou oito golos, mais 3 do que Evans, o elemento que mais rendeu em menos oportunidades.

Um momento delicado – Foi uma época relativamente tranquila, mas os muçulmanos não escaparam a alguma turbulência. Ainda no início do campeonato os adversários já falavam de tráfico de resultados. Algo que ninguém apresentou provas.

 

Gráfico dos jogadores com mais minutos

 

Aguiar: 2070 minutos

Cantoná: 2048 minutos

Micas: 1915 minutos

Mayunda: 1720 minutos

Carlitos: 1627 minutos

Silvério: 1610 minutos

Paíto: 1516 minutos

Mauríco: 1487 minutos

Fanuel: 1485 minutos

Neco GR: 1170 minutos

Vling: 1093 minutos

Nelson: 1082 minutos

Binó GR: 1080 minutos

Jumisse: 1075 minutos

Chana: 884 minutos

Evans: 787 minutos

Tendai: 325 minutos

Eurico: 241 minutos

Campira: 150 minutos

Nelsinho: 107 minutos

Victor: 90 minutos

Matlombe: 75 minutos

Filipe: 65 minutos

Massitara: 50 minutos

Chicondi: 25 minutos

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!