Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Investigação sugere que irmãos Tsarnaev fizeram bombas em casa

Os investigadores acreditam que Tamerlan Tsarnaev e o seu irmão mais novo, Dzhokhar, provavelmente produziram as bombas usadas no atentado de 15 de Abril em Boston na casa de Tamerlan, na vizinha localidade de Cambridge, disseram as autoridades, esta Sexta-feira (3).

Agentes da polícia federal norte-americana (FBI) interrogam, há dias, a viúva de Tamerlan, Katherine Russell, e outras testemunhas na esperança de entender as crenças e planos dos dois irmãos de origem chechena.

Os investigadores dizem estar cada vez mais convencidos de que os suspeitos aprenderam a fazer as bombas em postagens de militantes islâmicos na Internet, embora tenham substituído alguns componentes.

Pelo que eles apuraram, Tamerlan, de 26 anos, passava muito tempo sozinho em casa, a cuidar do filho pequeno, enquanto a sua mulher, de 24 anos, trabalhava até 80 horas semanais como auxiliar de enfermagem, segundo Amato DeLuca, advogado dela.

O casal vivia a menos de oito quilómetros do local onde as bombas foram detonadas, junto à linha de chegada da Maratona de Boston, matando 3 pessoas e ferindo outras 264. O outro suspeito, Dzhokhar, de 19 anos, estava matriculado na Universidade de Massachusetts e morava num alojamento no campus de Dartmouth, a cerca de uma hora de carro de Boston.

Os investigadores acham que Tamerlan, que gostava de carros e roupas de grife, e eventualmente trabalhava como mecânico, aproveitava a tranquilidade doméstica para aprender a fazer bombas com materiais encontrados na própria casa.

A polícia diz que as bombas usadas em Boston foram feitas com panelas de pressão recheadas de pregos e esferas metálicas, além de pólvora.

Tamerlan acabou sendo morto em confronto com a polícia, na mesma semana do atentado. Dzhokhar ficou ferido e está internado sob custódia num hospital prisional, onde já foi indiciado por crimes que podem acarretar a pena de morte.

Quando eles ainda estavam foragidos, e depois de serem identificados como suspeitos e terem suas fotos divulgadas pelas autoridades, Tamerlan entrou em contacto com a esposa, segundo fontes familiarizadas com a investigação, que pediram anonimato.

O advogado de Katherine Russell não comentou essa hipótese, mas havia dito, esta semana, que ela estava disposta a colaborar com a investigação.

Desde a morte de Tamerlan, Russell, ainda vestindo trajes islâmicos, tenta se manter reclusa na casa dos pais, em Rhode Island, distanciando-se do homem com quem se casou em 2010 numa mesquita de Boston. Ela recusou-se a retirar o corpo do marido do necrotério, deixando que os seus parentes do Cáucaso o fizessem.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!