Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Invasão de activistas pela independência leva caos a sessão do Parlamento de Hong Kong

O Parlamento de Hong Kong vive um dia de caos nesta quarta-feira, quando dois parlamentares pró-independência desafiaram uma proibição de entrada e invadiram a Casa enquanto democratas formavam um cordão humano ao seu redor, o que forçou o adiamento da sessão.

Na terça-feira, o presidente do Conselho Legislativo da cidade administrada pela China adiou a posse de Yau Wai-ching, de 25 anos, e de Baggio Leung, de 30, e os proibiu temporariamente de participar de reuniões após semanas de pressão de facções leais a Pequim.

“Se perdermos esta guerra… nosso sistema acaba. Não temos espaço para recuar”, disse Leung com os olhos cheios de lágrimas.

A dupla, que representa uma nova leva de ativistas mais radicais na política tradicional, teve seus juramentos de posse invalidados neste mês por causa da linguagem e de um cartaz que foi considerado depreciativo para a China.

“Parlamentares eleitos democraticamente precisam fazer seu juramento”, gritaram os democratas enquanto abriam caminho para a sessão escudando Yau e Leung. Eles pediram a renúncia do presidente do Conselho, Andrew Leung, e Yau o acusou de “destruir a dignidade” do organismo, que testemunhou cenas caóticas à medida que a sessão degenerava em balbúrdia.

Milhares de legalistas pró-Pequim se reuniram do lado de fora do parlamento para repudiar os parlamentares pró-independência.

Agitando as bandeiras da China, os manifestantes viraram o polegar para baixo enquanto gritavam: “Contra os insultos à China, contra a independência de Hong Kong, protejam a dignidade nacional”.

A ex-colónia britânica de Hong Kong voltou ao controle chinês em 1997 conforme o princípio de “um país, dois sistemas”, permitindo uma variedade de liberdades inexistentes no território continental chinês.

Outrora um tabu, o tema da independência ganhou ímpeto porque as manifestações pró-democracia do final de 2014, que paralisaram partes do centro financeiro asiático, não bastaram para obter concessões dos líderes do Partido Comunista em Pequim.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!