Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Inundações: governo decreta alerta vermelho institucional

O governo moçambicano decidiu activar, terça-feira, o “Alerta Vermelho Institucional” como medida de precaução face ao possível agravamento da situação de emergência, actualmente caracterizada por chuvas intensas e inundações um pouco por todo o país.

A decisão foi tomada no decurso da primeira sessão ordinária do Conselho de Ministros que, entre outras matérias, apreciou a situação de Emergência em Moçambique relativa a época chuvosa e as acções de prevenção e resposta realizadas pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) e pelos órgãos locais.

O porta-voz do Conselho de Ministros, Alberto Nkutumula, disse a jornalistas que o “Alerta Vermelho Institucional” inclui todas as medidas que evitem a ocorrência de mortes de pessoas e outros danos irreparáveis. A medida, segundo ele, “implica também a retirada compulsiva das populações que vivem em zonas de risco”.

Nkutumula explicou que o Conselho de Ministros analisou a informação sobre a situação hidrológica referente ao período entre 01 e 20 de Janeiro corrente, tendo constatado que se registaram chuvas acima do normal no país, e que, nos próximos 30 a 60 dias, este cenário poderá prevalecer.

Enquanto isso, nos países vizinhos também chove intensamente e as descargas nas barragens localizadas nesses países podem resultar no agravamento da situação em Moçambique nos próximos tempos. “Por isso, o governo decidiu activar o Alerta Vermelho Institucional, como uma medida preventiva”, afirmou.

De referir que, o Centro Nacional Operativo de Emergência (CENOE) anun- Publicidade ciou, a 5 de Janeiro corrente, a activação do “Alerta Laranja Institucional”.

Desde essa altura, as chuvas continuam a cair um pouco por todo o país, provocando inundações sobretudo ao longo das bacias hidrográficas das regiões Centro e Sul de Moçambique, nomeadamente nas bacias do Zambeze, Púngoè, Búzi, Save Limpopo, Incomáti e Maputo.

O CENOE receia que o país volte a sofrer cheias idênticas às de 2000, que provocaram a morte de várias centenas de pessoas e destruições em infra-estruturas socio-económicas.

Ainda terça-feira, o Conselho de Ministros aprovou o Regulamento sobre a Qualidade de Serviços Públicos das Telecomunicações e uma série de resoluções que ratificam Acordos bilaterais celebrados entre Moçambique e outros países e instituições.

Também analisou o processo de Matriculas e do início do Ano Lectivo, a situação dos Transportes Públicos e das Linhas férreas de Sena e Nacala, entre outras matérias.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!