Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

INAV ordena encerramento de duas escolas de condução

O Instituto Nacional de Viação (INAV), ordenou o encerramento provisório de duas escolas de condução de veículos automóveis, localizadas na cidade de Maputo, devido a uma série de irregularidades. As duas escolas de condução foram igualmente proibidas de fazer novas admissões.

Trata-se das escolas de Condução Índico e Namuli que foram encerradas, semana passada, no âmbito de uma “ofensiva” contra os estabelecimentos que funcionam à margem das normas, concorrendo para a ocorrências de desmandos no sector de viação.

Citado pelo matutino “Notícias”, o director-geral do INAV, Taibo Issufo, revelou que para voltarem a operar, os dois estabelecimentos deverão sanar todas as anomalias detectadas e solicitar vistorias junto a entidade que supervisão sector.

A situação da Escola de Condução Namuli é descrita como grave, pois, nos últimos tempos, funcionava apenas com duas viaturas de instrução contra o mínimo de três exigidas pela lei para os estabelecimentos de género situados nas cidades.

Por força do Regulamento de Funcionamento das Escolas de Condução, aquele tipo de estabelecimento de ensino devia dispor de equipamento de projecção, quadros ilustrativos de sinais de trânsito, sala de aulas técnica e de espera, material que a Namuli não possui.

O mais grave ainda, segundo Issufo, é que os instrutores da escola continuavam a utilizar sinais de trânsito revogados há mais de um ano, induzindo em erro os instruendos. Situação similar foi detectada na Escola de Condução Indico, criada em 1993.

O director-geral explicou que a situação verificada nas duas escolas pode ser encontrada na maioria dos 103 estabelecimentos existentes em todo o país.

Assim sendo, nos próximos tempos mais unidades de ensino poderão ser suspensas sobretudo na cidade capital, onde funcionam 32. “Aliás, há escolas que nem pagam manifesto das suas viaturas nos termos das normas em vigor. Outras ainda permitem que instruendos façam exames sem cumprir o mínimo de aulas teóricas e práticas determinadas”, disse Issufo.

Ao permitir tais situações, segundo explicou, as escolas de condução estão a concorrer para uma fraca qualidade de condutores de veículos e, consequentemente, ao aumento do número de acidentes de viação.

Relacionado com a necessidade de melhorias no sector de viação, o INAV promoveu, na semana passada, um encontro com membros da sociedade civil para colher subsídios sobre como reorganizar o sector, particularmente o funcionamento das escolas de condução e realização de exames.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!