Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ilha de Moçambique opera melhorias de âmbito social

O município da cidade da Ilha de Moçambique vai operar profundas melhorias de âmbito social que se traduzem no acesso à água potável de qualidade, da rede viária urbana, além do reforço da capacidade de recolha e tratamento de resíduos sólidos, acções para cuja execução tem garantido um montante estimado em Sete milhões de meticais desembolsados pela edilidade local.

De acordo com Agostinho Mabota, técnico do sector de urbanização no Conselho Municipal da Ilha de Moçambique, vai arrancar brevemente o processo de reabilitação do depósito elevado que garante a distribuição de água à parte insular , que consistirá na eliminação de fugas decorrentes da idade avançada daquela infra-estrutura que nunca beneficiou de melhoramento desde a sua construção há cerca de meio século.

Paralelamente a este trabalho, vai decorrer o processo de limpeza daquele depósito para a remoção de resíduos, segundo estudos, de quantidades enormes, facto que está relacionado com a contaminação da água que chega turva e com cheiro ao consumidor através da rede urbana, constituindo um período a saúde publica. A nossa fonte avançou que a edilidade da primeira cidade capital do país vai reformar os meios para a remoção dos resíduos sólidos, com vista a melhorar o saneamento do meio numa altura em que a cidade regista um crescimento demográfico notável nos últimos tempos.

Para o efeito será adquirida uma carrinha basculante, totalizando, assim, quatro que ficarão ao dispor dos serviços de salubridade. Agostinho Mabota referiu que parte significativa dos Sete milhões de meticais a serem gastos em obras este ano pela edilidade, serão aplicados nos trabalhos de reabilitação de Um quilometro e meio de estradas, bem como na construção de um aqueduto reforçado em betão armado para facilitar a circulação de veículos e peões na zona de Ampite. Aquela zona continental pertence ao posto administrativo urbano do Lumbo, no município da Ilha de Moçambique e é atravessada pelo rio Monapo, que, com o crescimento do caudal, fica infestado de crocodilos que, todos anos, devoram pessoas.

Esta situação sensibilizou a edilidade a arregaçar as mangas e desenvolver acções com vista à sua inversão. Em relação às estradas da zona continental do Lumbo, a nossa fonte realçou que as obras da primeira fase que contemplam a reabilitação de 1,5 quilómetros consistirão na colocação de pavê.

A edilidade da Ilha beneficiou por parte do fundo de estradas, da alocação do equipamento para o fabrico de pavé, facto que vai estimular a reabilitação de vias de acesso com base naquele material considerado relativamente menos oneroso e adequado à regiões que se situam abaixo do nível médio do mar.

Num outro desenvolvimento, Agostinho Mabota precisou que a edilidade está a negociar com parceiros de cooperação no sentido de mobilizar fundos para financiar os trabalhos de substituição da tubagem da rede urbana estimada em 14 quilómetros, a qual se encontra num estado deplorável, permitindo fugas de água que provocam problemas ambientais, em particular a erosão nos bairros periféricos da cidade.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!