Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

HIV/SIDA: EcoSida trabalha com sector informal

A Associação de Empresários contra Sida (EcoSida) está a realizar um trabalho de sensibilização, aconselhamento e testagem voluntária aos trabalhadores do sector informal, com maior incidência nos dos transportes e mercados.

Ao todo são cerca de 7.500 pessoas que a EcoSida pretende abranger nesta iniciativa denominada “Fundo de Resultados Rápidos” que está a ser implementada desde Setembro de 2010, com duração prevista de um ano.

O projecto, segundo a Agência de Notícias Sobre Sida, está a ser implementado na cidade e província de Maputo; nas províncias de Gaza, Sofala, Manica, Nampula e Tete.

O mesmo está orçado em pouco mais de 400 mil dólares norte-americanos desembolsados pela Embaixada da Holanda em Moçambique, a Organização Internacional do Trabalho, o Banco Mundial, através do International Finance Corporation, entre outros parceiros. A gestão deste valor está cargo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Balbina Santos, oficial de programas e políticas da EcoSida, disse que o sector de transportes está no topo das preocupações, dada a vulnerabilidade que os seus trabalhadores apresentam porque muitas vezes ficam vários dias longe de casa e acabam por se expor a relações sexuais sem protecção.

“Pretendemos abranger 100 empresas transportadoras”, afirmou Balbina, acrescentando que “este não é mais um trabalho no campo de HIV, visando apenas trazer dados sobre a doença no sector informal, mas sim, trata-se de uma iniciativa com objectivos práticos.”

A oficial de programas garantiu que no caso de pessoas cujo resultado da testagem acusa positivo, elas são encaminhadas às unidades sanitárias para repetirem o teste.

Nos casos em que se confirma seropositivo, os mesmos são aconselhados a seguir os passos necessários que geralmente culminam com o início da terapia antiretroviral.

“Fazemos também o treino de educadores de pares e de gestores de recursos humanos nas empresas para que sejam as próprias empresas a elaborarem os seus programas de prevenção da doença no local do trabalho”, acrescentou.

Em Moçambique, as estatísticas revelam que 75% da população economicamente activa está no sector informal. No entanto, este sector, não tem beneficiado de programas sobre HIV/SIDA. Assim, a iniciativa que está a ser desenvolvida pela EcoSida é a primeira do género no país.

A EcoSida é uma iniciativa do sector privado, que conta actualmente com 85 empresas filiadas, que tem a missão de lutar contra o HIV/SIDA no local do trabalho, diminuindo a incidência e a prevalência desta doença no seio dos trabalhadores.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!