Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Guiné-Conacri elege Condé para presidente

A Comissão Eleitoral da Guiné-Conacri diz que o líder da oposição, Alpha Condé, ganhou as eleições presidenciais, com mais de 52% dos votos.

 

 

As eleições são consideradas as primeiras democráticas desde a independência da Guiné-Conacri em 1958 e ocorreram após dois anos de regime militar.

Os resultados foram anunciados após um dia de tensões na capital com apoiantes do oponente de Condé, Cellou Diallô a queimar pneus e a montar barricadas. A polícia de choque foi obrigada a intervir, ferindo um número ainda não confirmado de pessoas.

Grupos

As eleições pretendiam marcar o fim de 52 anos de regime autoritário mas acabaram por descambar em violência e atrasos. Os candidatos Diallô e Condé vêm dos dois principais grupos étnicos da Guiné-Conacri, os peul, ou fula, e os malinké, ou mandingas.

As comunidades fula e mandinga acusam-se mutuamente de fraude e intimidação. Ambos se tinham auto-declarado vencedores antes da divulgação dos resultados. Alguns membros da comunidade de Condé alegam que têm vindo a ser atacados e que as suas casas foram pilhadas e incendiadas por apoiantes de Diallô.

Depois do anúncio Condé, de 72 anos, apelou à calma. “Antes das eleições prometemos respeitar o veredicto da comissão eleitoral e a lei. Testemunhámos muitas provocações e tácticas de atraso que estão a indignar a população mas fizemos tudo ao nosso alcance para apelar à calma”, considerou.

Motins

Mas o seu rival, Diallô, que alegou fraude, já disse que não aceitava o resultado anunciado porque apoiantes seus em dois círculos eleitorais se sentiram demasiado intimidados para votar, após motins étnicos contra os fula terem deflagrado durante a campanha.

Entretanto o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, emitiu um comunicado a apelar a todos os guineenses para que “pelo interesse nacional, aceitassem os resultados eleitorais e resolvessem quaisquer divergências por meios legais”.

De acordo com a Comissão Eleitoral, Condé obteve 1,47 milhões dos votos – ou 52.5% – contra 1,3 milhões – ou 47,5% – arrecadados por Diallô. A afluência às urnas foi de 67%.

A Guiné-Conacri tem desde Janeiro sido liderada pelo governo interino do general Sekouba Konaté, que assumiu o poder dos líderes de um golpe em 2008.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!