Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

SELO: Guebuza jamais esteve pelo diálogo, escrito por Edgar Kamikaze Barroso

JAMAIS ESTEVE PELO DIÁLOGO, DEMOCRACIA E PAZ AQUELE QUE MANDA ATACAR MILITARMENTE A RESIDÊNCIA DO LÍDER DA OPOSIÇÃO E MEMBRO DE PLENO DIREITO DO CONSELHO DE ESTADO DE UM PAÍS SÉRIO…

Estava, no final da noite de ontem, a ouvir, pela Rádio Moçambique e muito apreensivamente, o Director Nacional da Política de Defesa e Segurança no Ministério da Defesa Nacional a anunciar triunfalmente que as Forças de Defesa e Segurança de Moçambique haviam tomado de assalto o lugar onde Afonso Dhlakama, líder do maior partido político na Oposição, havia fixado residência desde o ano passado, em Santungira. Apreensivo porque sempre pensei que Afonso Dhlakama fosse o segundo político mais importante deste país e, derivado dessa condição, gozar de tratamento especial sob toda e qualquer circunstância.

Com efeito, tal prerrogativa consubstancia-se pelo facto de ele ser o segundo candidato mais votado nas eleições presidenciais e gozar, à luz da Constituição, de imunidades e privilégios especiais. Ademais, Afonso Dhlakama não é um cidadão comum neste país e jamais o será: mais do que qualquer moçambicano ainda na política activa, foi o principal responsável pela assinatura dos Acordos Gerais de Paz, em 1992, que pôs fim à maior e mais mortífera guerra de que há memória neste país.

Num país pretensamente democrático e com as especificidades típicas de Moçambique – um sistema político vigente imposto pela força das armas e não por desenvolvimentos políticos convencionais – assistir ao pontapear discricionário de um legado histórico dessa dimensão por parte do regime no poder, 21 anos depois e por razões racionalmente não convincentes, oferece-nos um cenário não muito auspicioso para a paz que duramente nos custou a alcançar e a manter. As Forças de Defesa e Segurança não podem ser usadas para resolver impasses políticos. Não é essa a sua natureza e missão.

Os homens armados da Renamo são produto do consenso de Roma e devem ser analisados dentro desse contexto específico. O fim da guerra civil em Moçambique e a assinatura dos Acordos de Roma teve como uma das suas condições fundamentais a manutenção desta força militar da Renamo. Não podemos exigir hoje, no calor de um presumido racionalismo democrático convencional, que tal força seja desmantelada.

Moçambique não é os Estados Unidos da América, o Zimbabwe ou a Austrália. Temos as nossas especificidades e somos um exemplo de sucesso durante estes 21 anos de paz exactamente por mantermos tais especificidades. Armando Guebuza, como Presidente da República e Comandante em Chefe das Forças de Defesa e Segurança de Moçambique, tem responsabilidades acrescidas na manutenção desse desiderato. As nossas forças armadas atacaram, destruíram e ocuparam a residência de Afonso Dhlakama sob seu conhecimento e autorização.

Parece-me um gesto de muita hipocrisia e sordidez o nosso Chefe de Estado aparecer publicamente, nas suas presidências abertas e em conferências de imprensa, a apelar ao diálogo e à paz quando, em última instância, autoriza um ataque armado à residência do seu mais importante oponente político, membro de pleno direito do seu próprio Conselho de Estado e uma figura incontornável para a manutenção da paz que ele paradoxalmente apregoa.

Por conseguinte, só a Armando Guebuza e seus subordinados mais directos na autorização e na operacionalização do ataque à Santungira é que deverão ser responsabilizados pelo “assassinato” do político Dhlakama, ontem, e pela ressurreição do “bandido armado” Dhlakama, de agora em diante.

 

Escrito por Edgar Kamikaze Barroso

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!