Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo sírio ameaça ataque “com força” contra cidade no norte do país

A cidade de Jis al-Shughour, no norte da Síria, prepara-se, esta terça-feira, em pânico para um esperado ataque das forças de segurança leais ao Presidente Bashar al-Assad, depois de o Governo ter prometido, segunda-feira, responder “com força” à morte de mais de 120 membros da polícia e soldados em alegados confrontos, durante manifestações, com o que regime descreve como “grupos armados”.

 

Na televisão estatal síria, os primeiros relatos dos incidentes narram que grupos de homens armados lançaram fogo a edifícios governamentais naquela cidade, roubaram cinco toneladas de dinamite e dispararam indiscriminadamente sobre civis e as forças de segurança com metralhadoras e lança-granadas.

 

Mas os activistas dos direitos humanos rejeitam esta versão, indicando que os confrontos ocorreram entre tropas leais a Assad e grupos de soldados que tinham desertado, aderindo ao movimento de revolta contra o regime, que se avoluma há já quase três meses.

“Uma unidade ou divisão do exército chegou à área pela manhã [de segunda-feira]. E parece que uma outra unidade chegou já da parte da tarde com o objectivo de estancar as deserções”, contou o director da organização de defesa dos direitos humanos Insan, Wissam Tarif, citado pela agência noticiosa britânica Reuters.

Tarif diz ter recebido vários testemunhos de residentes de Jis al-Shughour dando este mesmo relato, e que apenas a indicação do número de mortos é “inconsistente”. Várias mensagens lançadas na rede social Facebook – cujos autores se identificam como habitantes daquela cidade, a 20 quilómetros da fronteira com a Turquia – repetem a versão avançada por Tarif, expressam medo de um “massacre iminente” às mãos das forças de segurança sírias e apelam a ajuda do exterior.

Nenhum dos relatos pode ser confirmado independentemente, é sublinhado pelas agências noticiosas, uma vez que o regime de Assad não permite a presença de jornalistas estrangeiros no país no seguimento do movimento de revolta.

Ainda segunda-feira à noite o ministro do Interior, Mohammad Ibrahim al-Shaar, prometeu que as autoridades vão responder “com firmeza e toda a força” aos ataques dos “grupos armados”. E o ministro da Informação, Adnan Mahmoud, precisou, já esta manhã, que o exército – que disse ter-se mantido até agora fora da cidade – “vai cumprir o seu dever nacional para repor a segurança” em Jis al-Shughour.

Activistas dos direitos humanos denunciam que mais de mil civis foram mortos desde a eclosão dos primeiros protestos na Síria, então na cidade de Deraa, na costa do Mediterrâneo, e nas regiões curdas, no leste do país.

O regime, que começou por responder com algumas concessões aos apelos dos manifestantes – por mais liberdades políticas e o fim da corrupção – rapidamente inverteu tácticas, face à não desmobilização dos protestos, e deu ordem de acção ao exército numa vaga de repressão brutal que foi veementemente condenada no palco internacional.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!