Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambique tende a evidenciar-se como rota de narcotráfico

Depois da acusação do governo dos Estados Unidos da América contra o proeminente empresário moçambicano Momade Bachir que o chamou barrão da droga e as denúncias feitas logo a seguir no WikiLeaks envolvendo figuras da nomeclatura política nacional no tráfico de drogas, as últimas revelações sobre o narcotráfico tendem a evidenciar o país nessa rota. Semana passada, a imprensa estrangeira veiculou uma notícia dando conta da apreensão, terça-feira, no Paraguai, de cerca de uma tonelada de cocaína que tinha como destino a República de Moçambique.

Segundo a referida imprensa, a operação foi realizada pela Polícia Nacional do Paraguai e por agentes fiscais antidrogas, que descobriram um contentor que guardava 875,55 quilos da droga, que estava escondida sob um carregamento de arroz, cujo destino era Moçambique.

O contentor vinha de Ciudad del Este, na divisória com a cidade brasileira de Foz do Iguaçu (PR) e tinha como destino Moçambique, segundo informou um jornalista do jornal ABC Color.

A cocaína, acondicionada em 140 sacas, seria boliviana. A operação foi encabeçada pela Polícia Nacional e pelo Ministério Público paraguaio. Dentro de cada bolsa havia cerca de sete tabletes.

Uma fonte da autoridade paraguaio confirmou o carregamento da droga estava em nome de Ángel Tomás Aguayo Saldívar e deveria ser enviada ao seu destino na tarde da mesma terça-feira.

Um despachante identificado como José Domingo Martínez foi preso durante a operação. De acordo com informações, a polícia deveria abrir outro contentor suspeito. Fontes policiais garantem que esta é a maior apreensão de cocaína da história do Paraguai.

A suspeita dos investigadores é que dois contentores possuem droga e que a carga pode passar de uma tonelada. Consta que o alerta que culminou com a mega operação foi dado pela Embaixada dos Estados Unidos no Paraguai, entidade que alega ter recebido informação confidencial sobre a movimentação dos traficantes que tentavam enviar a droga para Moçambique.

Entretanto, as autoridades moçambicanas ainda não reagiram a apreensão daquela quantidade de cocaína que tinha como destino Moçambique.

Enquanto isso, nos bastidores acredita-se a droga apreendida que teria como destino Moçambique, o mais provável maioria daquela quantidade se destinaria a outros lugares, assumindo- se que o país possa não ter tantos consumidores que justifique a importação de uma tonelada de cocaína.

A apreensão semana passada de cocaína no Paraguai destinada a Moçambique ocorre no espaço inferior a dois meses que uma outra quantidade pesada em 166 quilos do mesmo tipo de droga foi apreendida no porto Eliza-Beth, na vizinha República da África do Sul, também referida se destinava a Moçambique.

O que é estranho nesses dois casos é o facto de se ter dito que a droga apreendida no porto Elizabeth, Maputo era um simples corredor da mercadoria que tinha como destino final Paraguai; para no espaço inferior a dois meses ocorrer uma nova apreensão de droga desta feita no Paraguai tendo como destino Maputo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!