Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo reitera que “cesta básica” é medida de curto prazo

O Governo moçambicano reiterou, quinta-feira, em Maputo, que o subsídio a cesta básica é um mecanismo de curto prazo, pois o Executivo tem estratégias para promover o crescimento económico a médio e longo prazo.

Falando na Assembleia da República (AR), o parlamento moçambicano, o Ministro da Indústria e Comércio, Armando Inroga, vincou que a aprovação do subsídio a cesta básica, que deverá entrar em vigor em Junho próximo e válido por um período de seis meses, visa atenuar o impacto de eventuais aumentos dos preços dos produtos alimentares sobre a qualidade de vida das camadas sociais de baixa renda.

A bancada do partido governamental, a Frelimo, através do seu deputado Carlos Silia, secundou a medida do Executivo, frisando que é um processo que se insere na luta “permanente” contra a pobreza.

A Renamo, a maior bancada parlamentar da oposição, que requereu explicações do Governo sobre esta matéria, e o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), também da oposição, manifestaram, durante os debates de hoje, as suas inquietações quanto ao sucesso da iniciativa.

O facto de o subsídio a cesta básica ser apenas para os habitantes (com mais de seis meses) das 11 capitais) trativo de Pembe, Agostinho Carimo, estes projectos geraram 273 novos postos de emprego, sendo 102 fixos e 171 sazonais.

Destes, 117 envolvem mulheres. Dos 57 beneficiários financiados, segundo o relatório apresentado pelo Chefe do Posto Administrativo ao estadista moçambicano, 17 são mulheres e 40 são homens.

Para 2011, o Posto será contemplado em cerca de 1.4 milhões de meticais para a implementação de 30 projectos de produção de comida e fomento pecuário, onde se prevê a criação de 144 novos empregos, dos quais 54 fixos e 90 sazonais.

“Dos 30 a serem beneficiados, seis são mulheres e 24 são homens”, refere o relatório apresentado durante a sessão extraordinária da Secretaria do Posto Administrativo, que precedeu o comício.

Tal como acontece um pouco por todo o país, o principal constrangimento tem a ver com os reembolsos. Com efeito, segundo Carimo, de 2007 a esta parte foram reembolsados 550 mil meticais, sendo 160.8 mil Meticais em dinheiro e 389.2 em espécie, isto é, equivalente a 36 novos nascimentos provenientes do gado de fomento pecuário.

Durante o comício, a população de Pembe pediu a reintrodução do programa de pulverização de cajueiros, com vista a recuperar seu rendimento, bem como a instalação de uma ou mais moageiras para o processamento de cereais.

Sobre a problemática das moageiras, Guebuza disse ser uma componente coberta pelo Fundo de Desenvolvimento Distrital (FDD), mais conhecido por “Sete Milhões”.

Se a população acha que há falta de moageira, os sete milhões são exactamente para resolver este tipo de problemas. Aliás, ainda hoje, o Presidente moçambicano visitou uma fabriqueta de sabão nos arredores da vila sede do distrito.

Trata-se de uma pequena unidade fabril que surgiu no âmbito do FDD e começou a operar em Junho de 2010. Cremildo Guambe, seu fundador, disse a AIM que, para instalar a fabriqueta, submeteu o seu projecto, tendo sido financiado em 146 mil meticais (cerca de 4.9 mil dólares norte-americanos).

”O meu sonho é expandir a fabriqueta, mas, neste momento, o primeiro desafio é o reembolso do valor que pedi”, disse, acrescentando que, no futuro, precisara de um espaço maior, já que agora funciona num quintal.

Ainda no comício, a população de Pembe pediu o alargamento do sinal de telefonia móvel para aquele Posto Administrativo e do sinal da rádio comunitária de Homoine.

Um dos dez cidadãos que falaram na ocasião queixou-se dos altos preços dos produtos básicos praticados pelos comerciantes locais, facto que, segundo ele, resulta da falta de fiscalização.

Pembe é um dos dois postos administrativos que o distrito de Homine, que se situa na parte central de Inhambane, possui. O outro posto administrativo é o de Homoine-sede. Nesta ronda da Presidência Aberta e Inclusiva, Guebuza tem privilegiado os postos administrativos e localidades.

Assim, o Posto Administrativo de Pembe foi a terceira escala do Chefe de Estado nesta sua visita a província de Inhambane, tendo antes visitado o Posto Administrativo de Cumbana (distrito de Jangamo) e a localidade de Mussengue (distrito de Mabote).

Sexta-feira, no termino da sua visita a Inhambane, Guebuza desloca-se a localidade de Muane, no distrito de Zavala, extremo sul da província.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!