Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo e Renamo alcançam consenso sobre composição da CNE

As delegações do Governo e da Renamo, ora em diálogo político, alcançaram, esta segunda-feira (10), o consenso sobre a alteração da composição da Comissão Nacional de Eleições (CNE). As duas partes acordaram que este órgão passe a ser constituído por 17 membros, contra os actuais 13.

{youtube}oae_byRH_u0{/youtube}

A proposta adoptada e a ser submetida à Assembleia da República (AR) pela “perdiz” prevê a retirada dos magistrados que na actual lei integram o órgão, mantendo apenas os provenientes de partidos com representação no Parlamento e personalidades da sociedade civil.

Com este consenso, resta apenas discutir a composição do Secretariado Técnico da Administração Eleitoral para encerrar o ponto relativo ao Pacote Eleitoral, o primeiro ponto da agenda do diálogo.

Como forma de acelerar a conclusão desta matéria, as partes marcaram mais um encontro para esta quarta-feira (12), no qual o Governo irá apresentar a sua posição sobre as propostas avançadas, hoje, pela contra parte de Renamo em relação a STAE.

O representante da delegação governamental, o ministro de Transporte e Comunicações, Gabriel Muthisse, assevera que os resultados alcançados na duas últimas rondas podem ser considerados como encorajadores, sobretudo, tendo em conta que o processo de diálogo está a decorrer num ambiente de cordialidade.

“Na sessão de hoje alcançámos consenso sobre a constituição da Comissão Nacional de Eleições. Já estamos a discutir sobre a composição do STAE e penso que a breve trecho resultados positivos poderão ser alcançados. Assim estamos convencidos de que em breve, e se possível esta semana, a Renamo poderá fazer o depósito da sua proposta de revisão do pacote eleitoral”, afirmou, acrescentando em seguida que “o ambiente do diálogo está a ser muito bom”.

{youtube}9S460mtMnu0{/youtube}

Com este avanço, a Renamo deverá proceder à submissão da proposta de revisão do pacote eleitoral à Assembleia da República nos próximos dias.

Renamo desiste da paridade

O chefe da delegação da Renamo, Saimone Macuiane, quando questionado sobre se a nova composição da CNE significaria a paridade, tão exigida por este partido no início do diálogo. respondeu nos seguintes termos: “como dissemos no dia 27 de Janeiro, na nossa discussão não entra a palavra paridade, mas o que a nós interessa é que as partes tenham um número que reflicta equilibro e é este trabalho que estamos a fazer”, respondeu, vincando em seguida que “não falámos nem de paridade nem de comissão profissional, mas estamos a trabalhar como irmãos moçambicanos”.

{youtube}xoz7uSVDdGk{/youtube}

Sobre a andamento do diálogo, a equipa da Renamo entende que o mesmo está a decorrer de forma muito positiva. “Temos esperança que a breve trecho é possível encerrar o ponto relativo à legislação eleitoral, mas dependerá ainda do esforço de cada um do povo moçambicano e da comunidade internacional para que este processo tenha êxito. Esperamos que nos próximos dias possamos dar termo da adopção das principais conclusões da legislação eleitoral”, disse Macuiane.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!