Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Garantida reabilitação das centrais de Mavuzi e Chicamba

O Governo de Moçambique já tem luz verde para avançar com o projecto de reabilitação e modernização das centrais eléctricas de Mavúzi e Chicamba, na província central de Manica.

Os financiadores deste projecto, nomeadamente a Agência Sueca de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (ASDI) e a Noruega garantiram ao Governo, em Novembro último, que os recursos já estão disponíveis para serem desembolsados.

O projecto está avaliado em 39 milhões de Dólares Norte-americanos (USD), contra os anteriores 36.5 milhões USD iniciais. Segundo o Ministro da Energia, Salvador Namburete, neste momento, o Governo está a preparar o concurso público para a contratação de consultores e empreiteiros que vão executar o projecto. “Tivemos alguns atrasos na reabilitação e modernização das centrais de Mavuzi e Chicamba devido a mau entendimento entre os parceiros face às modalidades de desembolso”, explicou.

Namburete acrescentou que “em Novembro do ano passado, recebemos informações de que podemos avançar porque a questão do financiamento já foi desbloqueada. Estamos agora na fase de lançamento de concurso para contratação de consultores e empreiteiros que vão fazer o projecto”.

As obras de reabilitação e modernização das duas centrais visam aumentar a sua capacidade de produção de energia de 30 para cerca de 80 megawatts (MW). A reabilitação das duas centrais estava inicialmente prevista para 2006, o que não aconteceu e, em Fevereiro do ano passado, os gestores da empresa pública Electricidade de Moçambique garantiram que as obras arrancariam mesmo em 2009, o que não aconteceu.

No contacto com a AIM, Namburete não avançou datas para o arranque das obras, porém, garantiu que já há condições criadas para o efeito. A ideia inicial da reabilitação da central de Mavúzi, a jusante, passava pela construção de um novo túnel de dois quilómetros para operação em paralelo, para conter as perdas de água, mas essa alternativa está a ser descartada.

O que se pretende em Mavúzi é, entre várias obras, substituir as rodas de turbina para o aumento da eficiência e redução da cavitação, modernização dos reguladores de carga e reabilitação das válvulas de carga.

Enquanto isso, em Chicamba Real a restauração deverá consistir na beneficiação de alternadores, substituição dos reguladores de tensão, reabilitação geral da turbina e alteração para casquilhos auto-lubrificantes. A central de Chicamba, com dois grupos de 19.2 MW, possui uma barragem com albufeira de regulação de 2.200 milímetros cúbicos, ao passo que a de Mavúzi tem dois grupos de 5.5 MW.

Ambas as centrais estão interligadas à rede nacional de energia desde 2005 e operam em paralelo com a Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), fornecendo energia à região centro do país e esporadicamente à cidade zimbabweana de Mutare, através do sistema de 110 Quilo Volts (KV).

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!