Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fraca afluência de eleitores na Guiné-Bissau

Fraca afluência de eleitores na Guiné-Bissau

Quarenta por cento dos cerca de 600 mil eleitores inscritos para votar nas eleições presidenciais de domingo último na Guiné-Bissau abstiveram-se, segundo fonte da Comissão Nacional de Eleições (CNE). As estimativas apontam para um abstenção mais elevada nas zonas rurais do que nos centros urbanos, atribuída ao clima de insegurança e impunidade reinante no país sobretudo após os assassinatos do Presidente João Bernardo “Nino” Vieira e do chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, o general Batista Tagmé Na Waié, em Março último.

Apesar dos apelos lançados pelos 11 candidatos às eleições presidenciais na Guiné-Bissau, poucos eleitores compareceram às urnas domingo em Bissau para escolher o novo Presidente da República. Os 593.765 eleitores começaram a votar às 7 horas nas eleições presidenciais antecipadas devido ao assassínio do então chefe de Estado, João Bernardo “Nino” Vieira, a 2 de Março.

Embora a paz e a estabilidade tenham dominado os discursos dos 11 candidatos, os guineenses vão a votos num período marcado pela violência política e denúncias de alegadas tentativas de golpe de Estado que se arrastam desde Agosto de 2008.

Entre os candidatos, os que têm mais hipóteses de se sentar no cadeirão presidencial são Malam Bacai Sanhá, apoiado pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC, no poder), Koumba Yalá, ex-Presidente da República e líder histórico do Partido da Renovação Social(PRS), a maior força da oposição, e Henrique Rosa, candidato independente.

Pelo menos duas mil e 500 mesas de voto estão espalhadas pelas oito regiões do país e pelo sector autónomo de Bissau até às 17 horas locais.

O escrutínio está a ser supervisionado por missões de observadores eleitorais da União Europeia (UE), Comunidade dos Países de Língua Portuguesa(CPLP), da União Africana (UA), da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e da Organização Internacional da Francofonia (OIF).

Uma fonte da CNE precisou que os resultados oficiais das eleições presidenciais deverão ser conhecidos dentro de três a quatro dias.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!