Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fórum Económico Mundial começou em Davos destacando países emergentes

Fórum Económico Mundial começou em Davos destacando países emergentes

O Fórum de Davos teve início esta quarta-feira com o debate das novas dinâmicas do poder na economia global, que, no entender da organização e dos participantes, está a deslocar-se para o Oriente e para os países do Sul.

“O que está a acontecer, na realidade, é um desacelerar do mundo Ocidental ao mesmo tempo que os mercados emergentes estão a crescer. É uma mudança completa nos equilíbrios de poder”, disse Azim Premji, presidente da tecnológica indiana Wipro. “Em dez anos, a economia dos países emergentes será igual ou um pouco maior que a economia dos Estados Unidos”, acrescentou.

No mesmo painel, o mais alto funcionário chinês no Fundo Monetário Internacional, Zhu Min, defendeu que a recuperação económica mundial está a ser conduzida sobretudo pela China e pela Índia. “Para os mercados emergentes, o crescimento é muito forte. A China ainda vai conseguir ter cerca de nove por cento, a Índia terá cerca de oito por cento”, acrescentou Zhu, antigo vice-governador do banco central chinês.
Martin Sorrell, presidente executivo da WPP, o segundo maior grupo publicitário mundial, resumiu a posição do painel: “Não é só uma passagem de poder do Ocidente para o Oriente, mas também” do Ocidente para o hemisfério Sul. “Esta é década da América Latina, com o Brasil a organizar o Campeonato do Mundo de Futebol e os Jogos Olímpicos. E, na Ásia, não é só a Índia e a China, mas também países como o Paquistão, o Bangladesh e a Tailândia”.

Fórum arranca à sombra dos atentados de Moscovo

O presidente da Federação Russa, Dmitri Medvedev, afirmou ontem que os organizadores do atentado de segunda-feira no aeroporto de Moscovo pretendiam colocar a Rússia “de joelhos” e frustrar a sua pretensão de captar investimento estrangeiro direto. Mas, “calcularam mal” disse Medvedev ao fazer o discurso de abertura da reunião anual do Fórum Económico Mundial em Davos, Suíça.

O Presidente russo disse aos líderes governamentais e empresariais reunidos na estância de inverno que o ataque “apenas reforça a vontade (da Rússia) de encontrar uma efetiva proteção internacional contra o terrorismo”. O ataque bombista no aeroporto Domodedovo, o maior dos três que servem a capital russa, matou 35 pessoas e feriu mais de 100 e levou os investidores estrangeiros a questionarem-se ao sublinhar os persistentes problemas de segurança na Federação Russa.

Medvedev enumerou razões pelas quais os investidores devem investir no maior pais do mundo, em termos de território, apesar de a economia se confrontar com corrupção e uma grande dependência do petróleo e dos recursos naturais. “Estou convencido de que a democracia continuará a desenvolver-se, graças à modernização económica”, considerou.

Medvedev admitiu que algumas das críticas da comunidade empresarial internacional feitas à Federação Russa eram “merecidas”, enquanto outras eram mal dirigidas. “Estamos dispostos a receber conselhos amigos, mas não precisamos de lições”, acrescentou. O encontro de Davos, com o tema “Normas Partilhadas para uma Nova Realidade”, decorre entre 26 e 30 de janeiro.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!